terça-feira, 16 de dezembro de 2008

A questão envolvendo formandos de Medicina da UEL

Posicionamento da Regional Sul II da Associação Brasileira de Educação Médica a respeito dos incidentes envolvendo alunos do 6º ano médico da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Associação Brasileira de Educação Médica
Regional Sul II - Paraná e Santa Catarina
Curitiba, 13 de dezembro de 2008.

Carta de Apoio ao Colegiado do Curso de Medicina da Universidade Estadual de Londrina

A Regional Sul II da Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM), reunida nesta data na Faculdade Evangélica do Paraná em Curitiba decidiu pela manifestação abaixo:
Considerando os recentes acontecimentos envolvendo formandos do Curso de Medicina da Universidade Estadual de Londrina (UEL), a Regional Sul II da ABEM vem a público manifestar seu total apoio a esta instituição.
A Universidade Estadual de Londrina sempre se situou na vanguarda do movimento de transformação na Educação Médica e primou pela qualidade de ensino médico com grande responsabilidade. Ao longo de quase meio século de história, a UEL forma profissionais médicos que se destacam no cenário brasileiro pela qualidade profissional e ética reconhecida pela sociedade.
Esses acontecimentos são muito preocupantes e merecem uma reflexão mais aprofundada. Contudo, não devem colocar em dúvida a competência da instituição em formar um médico ético, humano e comprometido com a sociedade, nem servir como argumento contra o processo de mudança na formação médica preconizado pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a graduação em Medicina.

Ademir Garcia Reberti
Coordenador Docente do Núcleo da Regional Sul II da ABEM

Mayla Gabriela Borba
Coordenadora Discente do Núcleo da Regional Sul II da ABEM

domingo, 7 de dezembro de 2008

Atenção primária à Saúde na China

Bulletin of the World Health Organization | December 2008, 86 (12)

China’s village doctors take great strides
Village doctors have dramatically improved access to health care in China’s rural
communities over the last few decades.

China’s barefoot doctors were a major
inspiration to the primary health care
movement leading up to the conference
in Alma-Ata, in the former Soviet
Republic of Kazakhstan in 1978. These
health workers lived in the community
they served, focused on prevention
rather than cures while combining western
and traditional medicines to educate
people and provide basic treatment.
Dr Philip Lee, then a professor
of social medicine at the University of
California in San Francisco, wrote glowingly
in the Western Journal of Medicine
about China’s primary health care system
after visiting the country in 1973
as part of a United States of America
(USA) medical delegation. He said
prior to the founding of the People’s
Republic of China in 1949, epidemics,
infectious disease and poor sanitation
were widespread. “The picture today is
dramatically different … there has been
a pronounced decline in the death rate,
particularly infant mortality. Major
epidemic diseases have been controlled
… nutritional status has been improved
[and] massive campaigns of health
education and environmental sanitation
have been carried out. Large numbers
of health workers have been trained,
and a system has been developed that
provides some health service for the
great majority of the people.”
Dr Zhang Zhaoyang, the deputy
director general of China’s Department
of Rural Health Management,
says the barefoot doctor scheme had
a profound influence on the Declaration
of Alma-Ata. “WHO research in
the 1970s found problems relating to
the health-cost burden and unequal
distribution of health resources. To try
to solve the inequality, it did research
in nine countries, including four
cooperation centres in China. China’s
experience inspired WHO to launch
the health for all by 2000 programme.”
Zhang says the barefoot doctor
scheme, initiated by central government
but largely administered locally,
had its origins in the 1950s. “The
name barefoot doctor became popular
in late 1960s after an editorial in the
People’s Daily by Chairman Mao in
1968,” he says. “The name ‘barefoot
doctor’ originated in Shanghai because
farmers in the south were often
barefoot working in the paddy field.
But China’s village doctors had been
there long before. In 1951, the central
government declared basic health care
should be provided by health workers
and epidemic prevention staff in
villages. In 1957, there were already
more than 200 000 village doctors
across the nation, enabling farmers to
receive basic health care at home and
work every day. The barefoot doctor
scheme was simply the reform of medical
education in the 1960s. In areas
lacking medicine or doctors, village
doctors could go through short-term
training – three months, six months, a
year – before returning to their villages
to farm and practise medicine.”
China now has more than 880 000 rural doctors,
about 110 000 licensed assistant doctors
and 50 000 health workers.
Dr Zhang Zhaoyang
Zhang says the scheme has evolved
over the decades, though the term
barefoot doctor is no longer used. “The
scheme has never stopped. In the early
1980s, the State Council (the Central
People’s Government, the highest
executive organ in China) directed
that barefoot doctors, after passing an
examination, could qualify as a ‘village
doctor’. Those who failed would be
health workers and practise under the
guidance of the village doctors. The
village doctors and rural health workers
still undertake the most primary
health work – prevention, education,
maternal and child health care, collecting
disease information. The quality
of [care provided by] rural doctors
keeps increasing in line with social and
economic development.”
Dr Liu Xingzhu, the programme
director at the Fogarty International
Centre at the National Institutes of
Health in the USA, was a barefoot
doctor from 1975–1977. Aged 19,
his senior secondary school classes
were interrupted during the Cultural
Revolution drive to equip people with
practical skills. “The county’s health
bureau organized medical training in
my school and provided free accommodation
and food. The trainers were
the best from the county’s central
hospital in various fields. Many of the
doctors were dispatched from the urban
hospitals during the Down to the
Countryside Movement (when Mao
decreed ‘privileged’ urban youth go to
rural areas to learn from workers and
farmers) and showed great professionalism.
They were very good trainers
and doctors.
“After graduating in June 1975,
I became a barefoot doctor at the
Suliuzhuang commune (in northwestern
Shandong Province, south
of Beijing) serving 1800 residents.
Despite the knowledge I learned from
the strict training, the conditions and
equipment in the countryside were
very limited. I was given only a bag of
some basic medicine with two syringes
and 10 needles.”
Therein lay both the strength
and weakness of the barefoot doctor
scheme. It provided the rural poor
with health care not known in pre-
Revolution days, but the doctors’ limited
training, equipment and medical
supplies meant they could not do a lot.
Another of the barefoot brigade,
Dr Liu Yuzhong, still offers basic
health care to his fellow villagers after
43 years’ service. Now 69, he is known
by patients as a caring, skilful doctor,
though he says, “I learned something
of everything, but specialized in
nothing.” He adds: “There are great
advantages to having a barefoot doctor
in the village. The patients are all my
neighbours. I know each family’s situation,
lifestyle and habits. Since I see
my patients very often, even if I cannot
diagnose precisely the first time, I can
follow up closely and give a better
diagnosis the next time.”
When the rural cooperative healthcare
system was dismantled in the
1980s as a result of China’s economic
liberalization, Liu Yuzhong was hired
by the local Dingfuzhuang Health Centre
on the eastern outskirts of Beijing.
“I was lucky because I had passed a
Ministry of Health exam in 1981 and
acquired the certificate to practise as a
village doctor.”
Liu Xingzhu believes health-care
services did suffer in the late 1970s and
early 1980s when the agricultural sector
was privatized. “The barefoot doctors,
who were paid collectively by the
commune, lost their source of income.
Many turned to farming or industry.
The most direct effect was that few
did inoculations or provided primary
health care for the peasants. Many diseases
that had been eradicated emerged
in the countryside again.”
I was lucky
because I had
passed a Ministry
of Health exam in
1981 and acquired
the certificate to
practise as a village
Dr Liu Yuzhong
The user-pays system introduced
in China in the 1980s left many out of
pocket or unable to afford treatment.
The government in recent years has
recognized the need to increase health
spending and promote new health
insurance schemes, a reflection perhaps
of China’s special commitment to a
primary health care system that “everyone
can enjoy, reflects social equality,
is affordable for everyone and matches
social and economic development,” according
to Zhang. Dr Lei Haicho of the
Department of Health Policy and Regulation
at the Ministry of Health, says
the New Rural Cooperative Medical
Scheme introduced in 2003 now covers
more than 800 million rural residents,
while public financing of the health
system has increased substantially.
Zhang maintains, however, healthcare
standards have risen steadily in
China, thanks in part to the work of
village doctors and health workers, who,
he says, receive excellent training and
support. “The maternal mortality rate
in rural China has decreased from 150
per 100 000 before 1949 to today’s 41.3
per 100 000. The infant mortality rate
for the same period has decreased from
200 per 1000 to 18.6. China now has
more than 880 000 rural doctors, about
110 000 licensed assistant doctors and
50 000 health workers.” He believes
primary health care has also helped
reduce poverty in China. “Only with
a health body can people undertake
education and production activities and
improve their living standards. Village
doctors have played a significant role
in preventing people from becoming
Despite the challenges China faces
in providing a modern health-care service
to all of its 1.3 billion people, the
barefoot doctors and their successors
can still show the way to the rest of the
world in primary health care, according
to Zhang Lingling. Writing in the
Young Voices in Research for Health
2007 essay competition sponsored by
the Global Forum for Health Research
and the Lancet, the doctoral student at
the Harvard School of Public Health
said: “The impact of barefoot doctors
in rural health-care services still exists.
Today, both researchers and policymakers
have widely acknowledged it is
hard to bring people to work in rural
areas. Even the developed countries
have experienced a difficult time attracting
medical professionals to rural
places [so] training local people seems
to be the optimal solution [in] building
sustainability in rural health-care
Liu Xingzhu also believes the
Chinese model can inform other countries’
approach to primary health care.
“Chinese experience showed that to
promote primary health care, the key
issues are human resources and medicine.
Chairman Mao advocated there
was no need for five years’ training;
one year was enough to train a doctor.
Short-term training focusing on
specific types of work, such as antiviral
treatment or prenatal care, is sufficient
to meet the demands of primary health
care, especially in the countryside or
poverty-stricken areas.” ■

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

"Exame de Ordem" na Arábia Saudita

The need for national medical licensing examination in Saudi Arabia
Sohail Bajammal , Rania Zaini , Wesam Abuznadah , Mohammad Al-Rukban , Syed Moyn Aly , Abdulaziz Boker , Abdulmohsen Al-Zalabani , Mohammad Al-Omran , Amro Al-Habib , Mona Al-Sheikh , Mohammad Al-Sultan , Nadia Fida , Khalid Alzahrani , Bashir Hamad , Mohammad Al Shehri , Khalid Bin Abdulrahman , Saleh Al-Damegh , Mansour M. Al-Nozha and Tyrone Donnon

BMC Medical Education 2008, 8:53doi:10.1186/1472-6920-8-53

Abstract (provisional)

Medical education in Saudi Arabia is facing multiple challenges, including the rapid increase in the number of medical schools over a short period of time, the influx of foreign medical graduates to work in Saudi Arabia, the award of scholarships to hundreds of students to study medicine in various countries, and the absence of published national guidelines for minimal acceptable competencies of a medical graduate.

We are arguing for the need for a Saudi national medical licensing examination that consists of two parts: Part I (Written) which tests the basic science and clinical knowledge and Part II (Objective Structured Clinical Examination) which tests the clinical skills and attitudes. We propose this examination to be mandated as a licensure requirement for practicing medicine in Saudi Arabia.

The driving and hindering forces as well as the strengths and weaknesses of implementing the licensing examination are discussed in details in this debate.

Para ler o texto provisório na íntegra, clique em http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1472-6920-8-53.pdf

sábado, 29 de novembro de 2008

O PROMED e a Mudança Curricular nos Cursos de Medicina

Changes in medicine course curricula in Brazil encouraged by the Program for the Promotion of Medical School Curricula (PROMED)
Patricia Alves de Souza , Angelica Maria Bicudo Zeferino and Marco Aurelio Da Ros

BMC Medical Education 2008, 8:54doi:10.1186/1472-6920-8-54

Published: 27 November 2008

Abstract (provisional)
The Program for the Promotion of Changes in Medical School Curricula (PROMED) was developed by the Brazilian Ministries of Health and Education. The objective of this program was to finance the implementation of changes to the curricula of medical schools directed towards the Brazilian national healthcare system (SUS). This paper reports research carried out together with the coordinators responsible for the PROMED of each medical school approved, in which interviews were used to evaluate whether this financial support succeeded in stimulating changes. The aim of this study was to evaluate the impact of this program three years after implementation in the universities that received funding. Methods: The 19 course coordinators of the medical schools in which the PROMED project was implemented were interviewed using a questionnaire containing 12 questions for qualitative analysis. This paper focuses partially on the reports of the results of this qualitative analysis Laurence Bardin's. Results: The universities interviewed were found to have some common concerns: the decoupling of basic and professional training difficulties in achieving proximity to the network of services; insufficient funding; and the emphasis of most teachers being on teaching hospitals and specialization. These findings indicate that the direction of curriculum reform (PROMED) is toward providing a targeted training for this system. Conclusions: The interviewees were aware that this program would trigger future changes in all aspects of healthcare and represents an ongoing challenge to the academic field. PROMED provided the momentum for change in the nature of medical training in Brazil and was seen as powerful enough to override other processes and as a basis for guidance regarding the methodology, pedagogical approach and scenarios of practical experience.

Para ler a versão provisória completa do artigo, acessar http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1472-6920-8-54.pdf

domingo, 23 de novembro de 2008

ENADE Universal

Enade será universal a partir de 2009, confirma Inep

UOL Educação

A partir de 2009, o Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes) será universal e não mais por amostragem. O anúncio foi feito por Reynaldo Fernandes, presidente do Inep, nesta quinta (20).

Para os alunos universitários concluintes, continua valendo a obrigatoriedade do Enade para obter o diploma. Segundo o Inep, os alunos ingressantes também serão obrigados a realizar a avaliação, mas ainda não há sanção prevista para o caso de não-comparecimento.

Com essa ampliação de público, os custos da avaliação devem subir em 30%, segundo estimativa de Fernandes. Em 2008, última edição amostral do Enade, foram necessários R$ 25 milhões para custear a prova nacional.

Conforme Fernandes, a alteração atende aos pedidos das instituições de ensino superior, que solicitavam ampliação do número de alunos que prestam o exame, em razão do surgimento de novos indicadores educacionais calculados a partir das médias do Enade, como IGC (Índice Geral de Cursos de Graduação) e CPC (Conceito Preliminar de Curso). "O Enade sempre foi um exame seguro metodologicamente. Ao torná-lo universal, estamos atendendo aos pedidos das instituições e investindo na credibilidade do instrumento", afirmou.

Outras insituições que boicotavam o exame, como a USP (Universidade de São Paulo), devem aderir à avaliação universalizada. Uma das principais críticas das estaduais paulistas ao exame era o sistema de amostragem da prova. Segundo elas, a amostra pode não representar a totalidade do curso.

Estava previsto
Segundo Fernanddes, a adequação está prevista na lei que instituiu o Enade, a lei do Sinaes (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior). "Esta lei faculta a utilização do procedimento estatístico amostral ou universal", explicou.

"Esta mudança, certamente, acabará com aquela reclamação de alunos que questionavam por que alguns de seus colegas eram selecionados para a prova e outros não", afirmou o coordenador do Enade, Webster Spiguel Cassiano.

De acordo com o presidente do Inep, operacionalmente a mudança vai auxiliar o trabalho do instituto já que não será mais necessário montar amostras. Para garantir a segurança estatística, as amostras eram montadas com grande rigor, o que levava a um percentual bastante alto: entre 60% e 65% do total de estudantes ingressantes e concluintes dos cursos eram selecionados para o exame.

Antigo provão
O Enade, componente curricular obrigatório dos cursos de graduação, é realizado em ciclos avaliativos com duração de três anos. Desta forma, as 23 áreas de conhecimento avaliadas em 2008, por exemplo, só serão novamente avaliadas em 2011.

A prova é igual para ingressantes e concluintes do mesmo curso. São considerados ingressantes aqueles alunos que, até o dia 1º de agosto, concluíram entre 7% e 22% da carga horária total do curso. E, concluintes, os que, na mesma data, cumpriram pelo menos 80% da grade curricular ou estão em vias de concluir o curso.

*Com informações do Inep

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

14 de Novembro: Dia Mundial do Diabetes

Brasil pintado de azul contra o Diabetes!

Informativo DAB/MS 2008 13/11/2008

14 de novembro, essa foi a data escolhida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para lembrar ao mundo a luta contra uma doença que mata milhões de pessoas por ano : o Diabetes.

A instituição do Dia Mundial do Diabetes foi uma tentativa de conscientizar e alertar os governos a definirem políticas e suporte adequado para seus portadores. O tema escolhido para esse ano foi, pela segunda vez consecutiva, “Diabetes nas crianças e adolescentes” visando conscientizar, sobretudo, pais, professores, e profissionais de saúde para um incremento considerável no número de crianças com a doença.

O número de crianças portadoras de Diabetes tipo 1 cresce a uma média anual de 3% e o de Diabetes tipo 2, antes considerada uma doença de adultos, vem aumentando vertiginosamente graças aos sedentarismo, obesidade e hábitos alimentares inadequados de meninos e meninas mundo afora.

Para chamar a atenção para o problema, desde 2007, no dia 14 de novembro, símbolos turísticos de todo o planeta são iluminados em azul. Os prédios tingidos de luz azul são símbolos de esperança para doentes de todo o planeta. 500 monumentos, em 25 países, brilharão em azul em 2008. No Brasil, conhecidos cartões postais nacionais, como o Elevador Lacerda em Salvador, o Maracanã e o Cristo Redentor no Rio de Janeiro ganharão a tonalidade símbolo da luta contra o diabetes na sexta-feira, dia 14 de novembro de 2008.

É papel importante dos pais e educadores, em épocas de internet e jogos eletrônicos, incentivar a prática de atividades físicas e hábitos alimentares saudáveis em crianças e adolescentes para evitar a doença. A doença pode deixar seqüelas como cegueira, perda da função renal e complicações neuro-vasculares. Caso o diabetes não seja identificado nos primeiros anos ele pode matar.

O Diabetes já se configura como a epidemia do século. 246 milhões vivem com diabetes em todo o mundo, esse número, segundo estimativa da OMS, deve chegar a 380 milhões em menos de 18 anos.

O Brasil contra o Diabetes

Segundo o Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas não Transmissíveis (VIGITEL), dados de 2007, 5,2% da população adulta brasileira é portadora de diabetes. Esse número chega a 18,6% na população idosa.

A taxa de mortalidade dos portadores da doença é alta e gera um ônus social e financeiro considerável ao país.

Tendo em vista esse impacto, o Ministério da Saúde(MS) implementa estratégias de saúde pública eficientes para previnir o Diabetes através do cuidado integral de forma resolutiva e de qualidade. Promoção à saúde, prevenção, diagnóstico, tratamento, capacitação de profissionais e assistência farmacêutica, entre outras, são ações adotadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para o cuidado do portador da enfermidade. Essas ações são finaciadas e executadas pelos governos municipais, estaduais e federal, sobretudo na rede básica.

A rede de atenção básica distribui gratuitamente medicamentos essenciais aos portadores de Diabetes, como insulina, por exemplo. Capacita profissionais de saúde e também fornece seringas e lancetas para aplicação de insulina.

Além disso,a rede básica acompanha 1.9 milhão de portadores de Diabetes e Hipertensão cadastrados pelo programa SIS-Hiperdia.

O estímulo à atividade física é uma das ações preconizadas pela Política de Promoção à Saúde, bem como pelo Programa Saúde na Escola que obejetivam promover a saúde de crianças e adolescentes em idade escolar através de atividades físicas e ações preventivas às doenças como hipertensão, Diabetes, além de deficiências visual, auditiva e psicológica.

Alimentação saudável e práticas físicas adequadas são essencias para prevenção primária de Diabetes.

Em abril de 2009 o MS iniciará o processo de capacitação de uma rede de tutores de Educação em Saúde para o auto-cuidado para o portador de Diabetes e suas famílias.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Residência Médica

Médicos que tiveram a residência financiada com recursos da saúde do Estado de São Paulo trabalham principalmente para os planos de saúde depois de formados.
Segundo estudo inédito, realizado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo e pela Secretaria de Estado da Saúde, apenas 40% têm mais da metade da clientela originada do SUS, o que fomenta discussões sobre o que fazer para que os mais de R$ 100 milhões anuais de recursos públicos investidos nos jovens médicos tragam mais retorno à saúde pública. Também participaram do levantamento a Santa Casa de São Paulo e a Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap), ligada ao governo estadual.
“Estamos investindo recursos do Estado e nada mais justo do que a formação contribuir para o SUS”, afirma Paulo Henrique D’Ângelo Seixas, responsável pela Coordenadoria de Recursos Humanos da secretaria e um dos autores da pesquisa que analisou dados de 17.117 médicos que fizeram residência entre 1990 e 2002. Do total, 12.942 estão na ativa e, entre eles, foram realizadas entrevistas com uma amostra de 1.627 profissionais.
Segundo o presidente do conselho, Henrique Carlos Gonçalves, a desigualdade entre investimentos públicos e resultados para a saúde pública fica mais evidente quando se destaca que no Estado cerca de 40% da população tem acesso a planos, contra a maioria SUS-dependente.”É necessária uma regulação forte do Estado”, defendeu Gonçalves, destacando que em outros países, como o Canadá, o Estado regula o financiamento e a inserção dos egressos das residências.
A secretaria acaba de assumir o pagamento direto das bolsas de estudos, antes gerenciadas pela Fundação do Desenvolvimento Administrativo. Segundo Seixas, trata-se de mais uma medida no processo de aproximar a formação das demandas do SUS.
Nos últimos anos, a pasta também tem procurado direcionar bolsas ociosas ofertadas pelas faculdades de Medicina para áreas em que há maior carência de profissionais do SUS. Mas os próprios autores destacam que medidas pontuais não terão efeito. O Estado de São Paulo atualmente é o segundo maior pagador de bolsas de residência médica no País - perde só para o Ministério da Educação. O total de 4.550 bolsas anuais corresponde a 27% das bolsas para residentes do Brasil.
O estudo mostra ainda que profissionais que se especializaram em áreas básicas e clínicas, como clínica médica, pediatria e ginecologia e obstetrícia, dedicam-se menos à área para qual estudaram. E que os que trocaram de área atribuem a decisão principalmente à baixa remuneração e à falta de oportunidades.
Aqueles que se especializaram em métodos e técnicas de diagnóstico e os dermatologistas são os que mais se fixaram em suas áreas.
Para Irineu Massaia, vice-presidente da Comissão de Residência Médica da Santa Casa , que tem 400 bolsas financiadas pela pasta, o estudo evidencia também a necessidade de o poder público melhorar salários e infra-estrutura para evitar que o mercado dite a formação dos médicos.
Também os ministérios da Saúde e da Educação já avançaram na discussão sobre a especialização médica, apontando a necessidade de formação para áreas carentes do SUS. As pastas realizam agora um levantamento do perfil das bolsas ociosas e já decidiram investir na formação de intensivistas (que atendem emergências), geriatras e psiquiatras, entre outros especialistas . "Serão vagas dentro dos critérios de qualidade", afirma Francisco de Campos, secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

61% dos alunos de medicina são reprovados em exame do Cremesp

Percentual de reprovação praticamente dobrou em quatro anos.
De 679 participantes, apenas 262 foram aprovados.

O índice de reprovação dos estudantes de medicina no Exame do Conselho Regional de Medicina (Cremesp) atingiu 61% em 2008. A prova foi aplicada em agosto e setembro deste ano, em sua quarta edição. O percentual de reprovados praticamente dobrou desde o primeiro exame - passando de 31% em 2005 para 61% em 2008.
A primeira fase teve 934 inscritos e 679 candidatos que efetivamente fizeram a prova. Desse total, somente 262 participantes (39%) foram aprovados para a segunda fase.
Para ser convocado para a segunda etapa, quando é aplicada a prova prática, é preciso acertar o mínimo de 60% da prova objetiva da primeira fase, o que corresponde ao acerto de 72 questões, de um total de 120. Dos 262 aprovados na primeira fase, 231 compareceram à segunda fase. Destes, 24 foram reprovados.
O número de participantes na quarta edição do Exame do Cremesp corresponde a cerca de 30% do total de estudantes que cursam o 6º ano de medicina no estado. Segundo o Cremesp, ainda é grande a resistência e o boicote ao exame por parte de dirigentes, professores e alunos de algumas escolas.
Atualmente, 31 escolas médicas estão em atividade em São Paulo e 24 delas formam cerca de 2.300 alunos por ano. As demais, abertas há menos de seis anos, ainda não formaram suas primeiras turmas.O Exame do Cremesp não é como a prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A avaliação não é pré-requisito para o exercício profissional do médico e tem caráter voluntário.
Para o Cremesp, o exame indica a deterioração da qualidade no ensino médico em São Paulo. Segundo a instituição, devido ao caráter facultativo do exame, supostamente os alunos mais bem preparados demonstram maior interesse em participar da avaliação.
Média de acertos
A média de questões respondidas corretamente na primeira fase do exame de 2008 foi de 60,93%. O participante com nota mínima acertou 42 questões e a maior nota foi o acerto de 102 questões (dentre 120 questões).Abaixo de 60% de acertos o resultado por área de conhecimento é considerado insatisfatório. No exame de 2008, o desempenho acima de 60% ocorreu apenas nas áreas de saúde pública, bioética e saúde mental. Os estudantes demonstraram deficiências em campos como pediatria, obstetrícia, ginecologia e clínica médica.
Escola particular vai pior
No resultado da primeira fase, o índice de reprovação foi maior entre os cursos de medicina privados. Dentre os alunos de escolas privadas, 32,5% foram aprovados; já dentre os de escolas médicas públicas, 54,1% tiveram aprovação na primeira fase.
Na comparação das médias de acertos por áreas de conhecimento os participantes que cursaram escolas médicas públicas também tiveram melhor desempenho.
Dentre as instituições com participação representativa, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) foi a primeira colocada, com 64% de aprovação na primeira fase. Em seguida, aparecem a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, com 56% de aprovados, e a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com 52% dos candidatos convocados para a segunda fase.
Em dez anos, de 1998 a 2007, o número de denúncias protocoladas no Cremesp aumentou em 140%, muito acima da taxa de crescimento de médicos inscritos (42%) e da taxa de crescimento da população do Estado no mesmo período (12%).

sábado, 1 de novembro de 2008

MEC propõe 14 anos de ensino obrigatório

MEC propõe 14 anos de ensino obrigatório

UOL Educação - 29/10/008

O ministro da Educação, Fernando Haddad, encaminhou ao Palácio do Planalto, nesta última terça-feira (28), uma proposta de mudança no tempo mínimo de ensino obrigatório, dos atuais nove anos para 14 anos.

De acordo com o documento, as crianças teriam de ser matriculadas na escola aos quatro anos de idade e permanecer até os 17, pelo menos. Esse período abrange a pré-escola (quatro e cinco anos), ensino fundamental (seis a 14) e ensino médio (15 a 17). Hoje, a obrigatoriedade é apenas para o ensino fundamental.

"Estamos discutindo as regras de transição com o Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e a Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) para que isso se efetive em torno de cinco ou seis anos", afirmou Haddad.

A mudança deve ser feita por proposta de emenda à Constituição, mas o projeto ainda não foi apresentado à Câmara dos Deputados ou ao Senado Federal. Haddad enviou ao Planalto apenas uma nota técnica com suas intenções.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Revista Brasileira de Educação Médica

Prezados colegas,
informamos que o terceiro número do volume 32 da Revista Brasileira de Educação Médica já está integralmente disponível para consulta e leitura na Scielo.

Contribua com nossa Revista: leia, cite, debata, escreva!
Sergio Rego
Editor da Rbem


quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Eles podem inspirar a busca por soluções

Nos países que contam com os melhores sistemas educacionais a valorização da profissão docente é a chave para garantir a qualidade

Ana Rita Martins, Beatriz Santomauro e Rodrigo Ratier

Como os países com os melhores sistemas educacionais do planeta conseguiram esse feito? Em busca de respostas a essa pergunta, um recente estudo da consultoria americana McKinsey, chamado Como os Sistemas Escolares de Melhor Desempenho do Mundo Chegaram ao Topo, identificou as medidas que levam esse seleto grupo de nações aos lugares mais altos nos rankings dos exames internacionais. As descobertas foram sintetizadas em quatro lições: selecionar os melhores professores, cuidar da formação docente, não deixar nenhum aluno para trás e capacitar equipes de gestores. Com exceção dessa última medida, relativa à importância da liderança escolar, as outras três confirmam algo que inúmeros estudos anteriores já apontavam: a qualidade do professor é a característica que mais influencia a aprendizagem.

*** Aproveito para parabenizar todos os professores pelo Dia 15/10 *** Administrador

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Casa de Ferreiro, Espeto de Pau

CFM divulga estudo sobre saúde dos médicos do Brasil

O CFM acaba de divulgar o livro "O Perfil da Saúde dos Médicos do Brasil", fruto de pesquisa realizada entre os médicos em atividade no Brasil no ano de 2007. O estudo mostra que os profissionais são negligentes com a promoção da própria saúde e têm altos níveis de adoecimento.
O trabalho na íntegra pode ser acessado em:


sábado, 4 de outubro de 2008

Risco Psicossocial entre Médicos e Estudantes de Medicina

Research article

Psychosocial health risk factors and resources of medical students and physicians: a cross-sectional study
Edgar Voltmer , Ulf Kieschke , David LB Schwappach , Michael Wirsching and Claudia Spahn

BMC Medical Education 2008, 8:46doi:10.1186/1472-6920-8-46

Published: 2 October 2008

Abstract (provisional)
Epidemiological data indicate elevated psychosocial health risks for physicians, e. g., burnout, depression, marital disturbances, alcohol and substance abuse, and suicide. The purpose of this study was to identify psychosocial health resources and risk factors in profession-related behaviour and experience patterns of medical students and physicians that may serve as a basis for appropriate health promoting interventions.

The questionnaire "Work-Related Behaviour and Experience Patterns (AVEM)" was administered in cross-sectional surveys to students in the first (n=475) and in the fifth year of studies (n=355) in required courses at three German universities and to physicians in early professional life in the vicinity of these universities (n=381).

Scores reflecting a healthy behaviour pattern were less likely in physicians (16.7%) compared to 5th year (26.0%) and 1st year students (35.1%) while scores representing unambitious and resigned patterns were more common among physicians (43.4% vs. 24.4% vs. 41.0% and 27.3% vs. 17.2% vs. 23.3 respectively). Female and male responders differed in the domains professional commitment, resistance to stress and emotional well-being. Female physicians on average scored higher in the dimensions resignation tendencies, satisfaction with life and experience of social support, and lower in career ambition.

The results show distinct psychosocial stress patterns among medical students and physicians. Health promotion and prevention of psychosocial symptoms and impairments should be integrated as a required part of the medical curriculum and be considered an important issue during the further training of physicians.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Sobre a CAEM

A nossa Escola aderiu ao Projeto CAEM e a execução na UEM é da Profª Elisabete Kobayashi.
Segue o texto de apresentação da equipe do projeto

Comissão de Avaliação das Escolas Médicas (CAEM) é uma das comissões da Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM) formada por professores estudiosos envolvidos com avaliação no âmbito da educação médica, com a participação de representação discente. Foi constituída no ano de 2006, tendo sua primeira reunião em março do mesmo ano, onde discutiu amplamente e aprovou o Projeto Avaliação de Tendências de Mudanças no Curso de Graduação das Escolas Médicas Brasileiras, baseado no trabalho de tese de doutorado de Lampert (ENSP/Fiocruz, 2002).

Esta comissão surge em virtude da participação ativa da ABEM na discussão e na construção do processo de avaliação da Educação Médica Brasileira, tendo consciência das dificuldades das escolas realizarem mudanças na formação do médico de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais (MEC, 2001).

A CAEM tem a perspectiva de potencializar o entendimento da avaliação como processo democrático e construtivo, tendo como objetivos neste trabalho: promover e acompanhar as mudanças nas escolas médicas para atender às Diretrizes Curriculares com perspectivas a consolidação do SUS; e incentivar e apoiar a construção do processo de avaliação (auto-avaliação, avaliação externa, meta-avaliação) em cada escola médica no atendimento aos princípios do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) (MEC, 2004).

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Universidades criticam novo índice do MEC

Universidades criticam novo índice do MEC

Federais dizem que comparação entre instituições grandes e pequenas distorce o resultado; UFRJ vai propor mudança

Natália Soares e Demétrio Weber
Um dia após o Ministério da Educação (MEC) divulgar o novo indicador que reprovou um terço das instituições de ensino superior, dirigentes de universidades públicas e privadas criticaram ontem o índice. Eles argumentam que o IGC não é capaz de refletir a qualidade de uma instituição e tampouco permite a comparação de estabelecimentos de tamanhos diferentes. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) vai propor ao MEC que se faça uma diferenciação em seus critérios, de acordo com o tamanho das universidades.

- Quando este índice é aplicado a várias universidades de tamanhos e realidades diferentes, pode causar distorção. Da forma como está sendo feito, uma universidade com um curso de pós-graduação bem conceituado e cinco de graduação com boas notas, pode se sair melhor do que uma universidade com muito mais cursos - disse a pró-reitora de Graduação da UFRJ, Belkis Valdman.

A UFRJ obteve a sétima posição entre as melhores universidades do país, atrás de instituições menores como a Universidade Federal de Viçosa e a Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Para a decana do Centro de Ciências da Matemática e da Natureza, Ângela Rocha dos Santos, o ranking não aponta a real posição da universidade:

- No cenário nacional, a UFRJ certamente ocupa os primeiros lugares em qualidade. Estas avaliações em grande escala são importantes para o ministério direcionar políticas públicas, mas acho que rankings não dizem muita coisa. Estão comparando laranjas com maçãs. As universidades menores têm vantagens na comparação.

Ressalvando que são favoráveis à avaliação, reitores temem prejuízo à imagem dos centros de ensino.

- O indicador é um avanço, mas não conseguiu captar a universidade como um todo. O MEC precisa dialogar mais. Depois que divulga os resultados, não adianta fazer seminário - disse Amaro Lins, presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

Lins é reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que está na 22ª posição no ranking de 173 universidades. Segundo ele, a UFPE oferece mais de 80 cursos contra apenas um da Escola Brasileira de Economia e Finanças, da Fundação Getúlio Vargas, do Rio, que atingiu a nota mais alta.

- A contribuição de uma universidade com 40 cursos muito bons será mais significativa do que uma com apenas três.

"Os alunos não têm compromisso com o exame"

O presidente da Associação Brasileira de Mantenedores de Ensino Superior (Abmes), Gabriel Mário Rodrigues, disse que as instituições públicas têm melhores notas, na média, porque recebem alunos do ensino básico privado. Falando em nome do Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular, Rodrigues criticou o Enade, que serve de base para o novo Índice Geral de Cursos (IGC) das instituições. O IGC também considera as notas de mestrados e doutorados avaliados pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

- Os alunos não têm compromisso com o exame - disse Rodrigues.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

UEM: IGC 341 / Faixa 04

Sem USP e Unicamp, MEC aponta Unifesp como a melhor entre as públicas

UOL - 08/09/2008.

A Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) está no topo do ranking das universidades públicas com melhor desempenho, segundo o novo indicador de qualidade do MEC (Ministério da Educação) divulgado nesta segunda-feira (8). A avaliação, no entanto, não inclui a USP (Universidade de São Paulo) e a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), entre outras públicas.

Os dados, chamados de IGC (Índice Geral de Cursos da Instituição), foram divulgados pela primeira vez pelo MEC. O índice sintetiza, para cada instituição, a qualidade de todos os seus cursos de graduação, mestrado e doutorado, distribuídos em campi e municípios onde a instituição atua.

A Unifesp, cuja cúpula renunciou há duas semanas devido a denúncias de irregularidades, obteve nota 439 de uma escala que vai de 0 a 500.

Entre as públicas que tiraram menos de 200 (referente aos conceitos 1 e 2) estão a Uncisal (Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas), com 149, e a UFRB (Universidade Federal do Recôncavo da Bahia), com 176.

Segundo o MEC, as instituições com notas 1 e 2 não passarão por vistoria, como acontece com os cursos com baixo desempenho no Enade. "O IGC vai influenciar no recredenciamento da instituição, que pode ser liberado sem nenhuma exigência ou com termo de compromisso para melhora. No limite, pode até não ser recredenciada", disse o ministro da Educação, Fernando Haddad, na divulgação dos dados em Brasília.

Instituições estaduais não são obrigadas a fazer as avaliações realizadas pelo Inep --por isso, USP e Unicamp ficaram de fora, da mesma maneira que não participam do Enade. "A adesão é voluntária no sistema estadual, mas eu lamento porque a presença dessas instituições daria mais solidez a esse sistema e puxaria o referencial para cima", afirmou Haddad.

Foram avaliadas 173 universidades, 131 centros universitários e 1.144 faculdades isoladas e integradas. Do total, 35,5% das instituições públicas têm percentual de IGC 4 e 5. Entre as instituições privadas, essa proporção é de 4,9%.

Segundo o MEC, as que ainda não tiveram o seu indicador calculado são instituições novas, que não possuem concluintes em seus cursos.

No cálculo do indicador, são utilizados a média do CPC (conceito preliminar do curso) e o conceito fixado pela Capes para a pós-graduação. A média dos conceitos dos cursos é ponderada pela distribuição dos alunos entre os diferentes níveis de ensino (graduação, mestrado e doutorado).

Para esta edição, foram utilizados os CPCs referentes às edições do Enade no período de 2005 a 2007. Esse indicador de cursos considera, além de resultados de avaliação de desempenho de estudantes, infra-estrutura e instalações, recursos didático-pedagógicos e corpo docente.

A nota da Capes é referente à avaliação do triênio de 2004 a 2006.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Degola começa pelos Cursos de Direito

MEC corta mais da metade das vagas de cursos de direito no país; SP é campeão das reduções
UOL Educação

A partir de 2009, os vestibulandos de direito terão 24.380 vagas a menos para concorrer nos processo seletivos de 19 Estados. Esse é o total de vagas reduzidas pelo MEC (Ministério da Educação), depois de uma supervisão que avaliou 81 cursos com baixo desempenho no Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes). Até este ano, eram oferecidas 45.042.

O Estado de São Paulo concentra o maior número de corte: são 15.063 vagas distribuídas em 20 faculdades. Desse total, 8.465 são somente na Unip (Universidade Paulista). "Tínhamos mesmo um excesso de vagas que não eram preenchidas, mas já adotamos todas as medidas do MEC. O vestibular de meio de ano foi feito já com esse corte, disse o diretor geral da instituição, João Augusto Nasser.

O Rio de Janeiro vem na cola, com 14 instituições na lista e 3.351 vagas a menos. A listagem divulgada pelo MEC continha erros de digitação, como o caso da Universidade Santa Cecília, que apontava o fechamento do curso. O ministério retificou e informou que a instituição terá 50 vagas cortadas das 350 oferecidas.

A intenção do ministério é que a redução diminua o número de estudantes por professor e, com isso, melhore a qualidade do ensino no bacharelado de direito.

O processo de supervisão começou em outubro de 2007, quando 81 cursos de direito foram notificados pelo MEC. Essas graduações não atingiram nota 3 no Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), que vai de 1 a 5, nem no IDD (Indicador de Diferença do Desempenho), que avalia estudantes no fim do curso. Os cursos também apresentaram baixos índices de aprovação no exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Em janeiro de 2008, 29 cursos assinaram termo de saneamento de deficiências com o MEC, eliminando cerca de 6,3 mil vagas. Em maio, mais 22 cursos assinaram o termo de compromisso e diminuíram 14,2 mil vagas. Os 30 restantes passaram por verificação in loco entre os meses de maio e junho. Em julho, também assinaram o documento e reduziram em torno de 3,6 mil vagas.

O termo de saneamento de deficiências define medidas específicas para cada instituição, incluindo a redução do número de vagas, e tem validade de até 12 meses a partir da assinatura. Depois deste período, a instituição será reavaliada pelo MEC.

Além da redução de vagas, são previstas outras ações, como melhoria do perfil do corpo docente (titulação e regime de trabalho), estruturação do núcleo de prática jurídica, reorganização de turmas, revisão do projeto pedagógico, adequação da estrutura física e dos recursos de apoio e aquisição e manutenção de equipamentos e sistemas.

Uma comissão de especialistas da Secretaria de Educação Superior vai acompanhar agora o cumprimento dos termos. No último dia 13, os 29 cursos que assinaram o compromisso em janeiro apresentaram relatórios parciais do andamento da implementação das medidas propostas. Em novembro, será a vez das 22 instituições seguintes prestarem contas e em fevereiro de 2009, as 30 últimas.

Em julho de 2009, os 81 cursos já deverão ter cumprido todas as metas e passarão por nova avaliação do Enade. Se as medidas acordadas não foram cumpridas, o curso corre risco de ser descredenciado e fechado. Segundo o MEC, os estudantes matriculados não serão afetados, e as reduções de vagas só valem para os próximos vestibulares.

Universidade Paulista Assis (SP) 89,78%
Faculdades Integradas de São Carlos São Carlos (SP) 88,88%
Universidade Camilo Castelo Branco São Paulo (SP) 82,83%
Universidade Camilo Castelo Branco Fernandópolis (SP) 78%
Centro Universitário Metodista Bennett Rio de Janeiro (RJ) 74,19%
Universidade Paulista Manaus (AM)72,33%
Universidade Paulista São José dos Campos (SP) 71,19%
Centro Universitário Plínio Leite Niterói (RJ) 65,62%
Universidade Paulista Santos (SP) 62,23%
Universidade Iguaçu Nova Iguaçu (RJ) 63,39%

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Validação de Diplomas Estrangeiros

ANDIFES apoia projeto de validação do diploma estrangeiro de medicina
Por Danielle Sousa - Andifes
21 de agosto de 2008 15:46

O Conselho Pleno da Andifes, decidiu na última reunião, nos dias 12 e 13 de agosto, que irá apoiar o processo de validação do diploma estrangeiro de medicina. Nessa fase, será implantado um projeto piloto que contempla apenas aqueles que obtiveram o diploma de medicina em Cuba, mas pensado no sentido de resolver a situação dos brasileiros formados no exterior.

O projeto foi encaminhado à Andifes pela comissão de revalidação do diploma coordenada pelo Ministério da Saúde, Ministério da Educação e Ministério das Relações Exteriores e também formada por representantes da Andifes, ABRAHUEM, Conselho Federal de Medicina, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Ensino Médico.

Durante a apresentação da reitora Ana Dayse (UFAL), foi mostrado levantamento a respeito do contexto nacional em relação à situação da formação médica que apontando que atualmente existem 171 cursos de medicina no Brasil, formando 14 mil médicos por ano. Sobre a situação de brasileiros cursando medicina no exterior, o levantamento estima que o número chegue a 10 mil. Somente em Cuba, atualmente há 227 brasileiros nessa situação. É o país com maior número seguido por Argentina e Bolívia.

Dentre os fatores que influenciam a necessidade da revalidação do diploma médico obtido no exterior estão a alta demanda de alunos, a pressão das entidades médicas, da sociedade e das relações internacionais, principalmente no contexto da globalização e a forte inserção desse assunto no conjunto de medidas de políticas públicas do Ministério da Saúde. Há ainda o agravante que muitos desses alunos formados no exterior estão exercendo a profissão clandestinamente no Brasil.

Outro fator determinante para decisão da revalidação é o protocolo de intenções assinado entre Brasil e Cuba em outubro de 2003, em que há um programa de formação médica com a Escola Latino-Americana de Medicina, através do qual o Brasil se compromete no envio de alunos que são selecionados pela embaixada Cubana, conforme critérios especiais: brasileiros de baixa renda e oriundos de comunidades carentes, aprovados em exame de aptidão e entrevista, além de seis meses de nivelamento.

O projeto apresentado foi elaborado após sucessivas reuniões de trabalho e apresenta a estratégia de construir um processo isonômico, que busca atender graduados em estabelecimentos estrangeiros de educação superior. Foram feitas duas visitas à Cuba, uma em 2004 e outra mais recente em fevereiro deste ano, na qual 27 reitores puderam constatar as condições do ensino médico naquele país.

Durante a Reunião também foram discutidas algumas premissas para instalação do projeto nas universidades, como o emprego de tecnologia adequada para qualificar o processo, no sentido de avaliar o conhecimento dos alunos e a instalação de comissões de revalidação específicas em cada universidade.

O Presidente da ANDIFES, reitor Amaro Lins, solicitou às instituições que apoiem o projeto e levem a discussão para os cursos dentro do âmbito de cada universidade.

domingo, 10 de agosto de 2008


Recentemente realizamos a primeira avaliação com o OSCE (Objective Structured Clinical Examination) para a turma de sextanistas. Mais do que uma avaliação discente, esta, com certeza foi uma avaliação para o docente. Tivemos um feed-back instantâneo de algumas deficiências práticas em nosso dia a dia no internato, que nos faz pensar que coisas básicas nem sempre são elementares. É preciso ver o que o nosso aluno pensa e faz na prática, para termos a noção do que não passamos a eles por acharmos que seja óbvio. Esta avaliação nos serviu muito e provavelmente nos conduzirá à discussões interessantes dentro do departamento de Medicina. Os professores avaliadores escolheram o tema de cada estação, baseado em procedimentos rotineiros de cada área. O nervosismo dos alunos foi evidente nesta avaliação, que pela primeira vez utilizou a modalidade OSCE. Sem saber exatamente o que iriam encontrar em cada estação, alguns demonstraram preocupação com o que seria avaliado, mas no final cumpriram cada etapa adequadamente.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Revalidação de diplomas cubanos

Relator da Comissão de Educação é contra projeto que favorece diplomas cubanos
23/07/2008 16:14:56

O deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), relator do Projeto de Decreto Legislativo 346/07, deu parecer pela rejeição sobre o texto do Ajuste Complementar ao Acordo de Cooperação Cultural e Educacional entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República de Cuba para o reconhecimento de títulos de medicina expedidos em Cuba, celebrado em Havana, em 15 de setembro de 2006.

Segundo o parecer do deputado, “não podemos permitir a validação automática e em bloco de uma possível subformação profissional, que se inicia na facilitação da forma de acesso, passa pela permanência subsidiada internacionalmente, e até mesmo inclui a restrição ao exercício profissional de nossos formandos no próprio país que os formou”.

Lelo Coimbra lembra ainda que são centenas de novos médicos a cada ano que se formam fora do Brasil e desejam entrar no mercado de trabalho nacional, parte deles sem a mínima qualificação, devido à baixa qualidade dos cursos que freqüentaram. “Sem o devido cuidado, poderão de fato causar sérios danos às pessoas e à saúde pública do País”, alerta.

As entidades médicas defendem a comprovação de que o médico está apto a responder às necessidades do sistema de saúde brasileiro. “Todo médico é bem vindo desde que comprove sua qualidade. Não é uma questão com o ensino cubano, e sim com o diploma estrangeiro. Quem for bom tem o direito de exercer a profissão. Mas é necessário revalidar o diploma assim como em qualquer outro país”, defende o presidente do Conselho Federal de Medicina, Edson de Oliveira Andrade.

A revalidação do diploma não é suficiente para o exercício da profissão de médico, mas é condição necessária para obtenção do registro pelo CFM. Pelo ajuste, os diplomas poderão ser reconhecidos automaticamente por universidades públicas brasileiras, que terão de firmar convênios com a ELAM. Para a celebração desses convênios, deverá ser comprovada a compatibilidade dos conteúdos curriculares.

Existem hoje 600 brasileiros cursando ou que já cursaram medicina na Escola Latino Americana de Medicina (ELAM), em Cuba. O acordo foi celebrado nos mesmos moldes dos demais acordos bilaterias. Os estudantes podem sair para estudar, mas devem, ao final do curso revalidar o diploma.

Atualmente, os alunos brasileiros formados em cursos de graduação no exterior precisam validar o diploma em universidade pública do Brasil para que possam exercer a profissão. Esse processo de avaliação varia de acordo com a instituição.

“Partidos políticos enviam estudantes a Cuba... E a revalidação?”

Na reunião da Comissão de Educação na Câmara dos Deputados, estudantes manifestaram sua insatisfação com a faixa “Partidos políticos enviam estudantes a Cuba... E a revalidação?”, o que demonstra o apadrinhamento da questão.

De acordo com o relatório do deputado, os estudantes da ELAM são maiores de 25 anos, indicados por partidos políticos da base do governo como o PT e o PC do B, por movimentos sociais como o MST e o Comitê de Defesa da Revolução Cubana Internacionalista (CDRI) e por entidades religiosas, majoritariamente oriundos de famílias carentes e que ganham bolsas integrais do governo cubano para estudar, e por isso “seu protesto e pressão política têm encontrado grande eco no governo, no Congresso e na sociedade civil organizada, suscitando grande controvérsia”.

“Não entendemos por que o Acordo exclui os onze mil estudantes que estão na América Latina e apenas contempla uma única escola, que por sinal só formou duas turmas até hoje”, salienta o presidente do CFM.

Ensino insuficiente

Ao final dos seis anos de formação na ELAM, apenas os alunos cubanos são obrigatoriamente submetidos a um exame teóricoprático. Os cubanos aprovados nesse Exame de Estado, juntamente com os demais colegas estrangeiros que completaram o curso médico na Escola, tornam-se então, segundo se registra em seus diplomas, ‘médicos generalistas básicos’.

De acordo com o CFM, este profissional, que só poderá dar assistência nos consultórios de saúde da família, não pode exercer qualquer outra atividade de maior complexidade que essa.

Como o curso regular mostra-se insuficiente para que os médicos formados exerçam a clínica plena, aqueles que vão permanecer em Cuba são obrigados a estudar por mais três anos até se tornarem ‘médicos generalistas integrais’, pré-requisito para a ‘especialização’ em outras modalidades clínicas ou cirúrgicas, cursos estes que duram mais três a cinco anos.


quarta-feira, 6 de agosto de 2008

terça-feira, 5 de agosto de 2008

The contribution of ethics to public health

The contribution of ethics to public health

Carl H Coleman a, Marie-Charlotte Bouësseau b, Andreas Reis b

While ethics in health care dates back at least to the times of Hippocrates, Sun Si Miao, and Ibn Sina (Avicenna), the field of “bioethics” did not emerge until after World War Two. The birth of bioethics was stimulated by a confluence of factors. First, the Nazis’ medical experiments on concentration camp prisoners heightened concerns about the vulnerability of human subjects in medical research. Second, rapid advances in medicine, including reproductive health, organ transplantation and genetics, raised questions about the purpose and limits of medical technology. Third, post-war civil rights movements led to growing attention to the power imbalances between physicians and patients and the corresponding need to empower patients to control their own health-care decisions.
In recent years, there have been efforts to broaden the scope of ethical analysis in health care to focus more directly on public-health issues.
In contrast to the traditional emphasis of bioethicists on the physician–patient relationship, public-health ethics focuses on the design and implementation of measures to monitor and improve the health of populations. In addition, public-health ethics looks beyond health care to consider the structural conditions that promote or inhibit the development of healthy societies. From a global perspective, key issues in public health ethics include the following: Disparities in health status, access to health care and to the benefits of medical research ; Responding to the threat of infectious diseases ; International cooperation in health monitoring and surveillance ; Exploitation of individuals in low-income countries ; Health Promotion ; and Participation, transparency, and accountability .

Para ler o artigo na íntegra, acesse o Boletim da OMS em

sábado, 26 de julho de 2008

Lei Seca - Ganhos ou Perdas

A estimativa do governo do estado de São Paulo é de que o número de mortes no trânsito diminuiu 63% e o índice de atendimento a politraumatismos reduziu pela metade. Esta redução representa 4,5 milhões de reais economizados somente no setor hospitalar, e este número pode aumentar se contabilizarmos os ganhos secundários na economia brasileira. Isto quer dizer que um menor número de pessoas estará afastada por incapacidade física (temporária ou definitiva), diminuindo o absenteísmo nas empresas, e menor ônus com eventual contratação de funcionários substitutos. Quanto ao INSS, terá menor número de pessoas recebendo auxílio-doença (somente no HC-USP, houve menos 4000 acidentados no espaço de 30 dias). A repercussão é grande em todos os setores. Com este dinheiro economizado há como se ter maior investimento na saúde, com aumento no número de leitos, equipamentos, vagas para cirurgias eletivas, dentre tantas necessidades e carências deste setor.
Por outro lado, há os que lucram menos, quais sejam as indústrias farmacêuticas, empresas de materiais cirúrgicos (órteses e próteses, cateteres), e até mesmo as funerárias. Nem tudo é perfeito e nem sempre se pode ganhar infinitamente.
Esperamos que esta lei continue em vigor, protegendo vidas com a diminuição da violência no trânsito. E que o governo aplique o dinheiro economizado pela implantação da lei seca, com ações para melhorar o atendimento nos hospitais públicos.

domingo, 20 de julho de 2008

Avaliação do Curso pelos discentes

Recebi recentemente da CPA - Comissão Própria de Avaliação - o relatório sobre a avaliação discente do Curso em 2006. Em geral, a avaliação mostra vários aspectos positivos, não só mostrando virtudes mas também "pondo o dedo nas feridas".

Estou disponibilizando os dados de cada disciplina aos professores responsáveis para que estes resultados contribuam para a reflexão sobre como tornar o aprendizado ainda melhor. Basta pedir que eu mando por e-mail.

Aproveito para reforçar aos alunos que ainda não responderam à nova consulta que estes devem entrar na página da CPA com urgência para responder a avaliação das disciplinas que cursaram em 2007.

Roberto Z Esteves - Coordenador do Curso de Medicina/UEM

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Blogue como instrumento de ensino e aprendizagem

Tomei a liberdade de copiar do blog do Paulo Lotufo este artigo que achei muito interessante (http://paulolotufo.blogspot.com/).

"Ainda há aqueles que consideram que a internet é apenas mais um meio de comunicação, algo como a evolução do rádio e televisão. Os blogues ainda não foram considerados como instrumento de informação, muito menos de formação. Abaixo, o exemplo bem sucedido na escola de saúde pública Harvard. Aos professores, a lembrança de que os calouros de 2009, nasceram em 1991 com um computador em casa, quando se alfabetizaram em 1996-97, a internet já era realidade e, google-orkut-msn são instrumentos ordinários na vida deles. Caberá aos mestres, a devida atualização aos tempos modernos."
Using Seminar Blogs To Enhance Student Participation and Learning in Public Health School Classes. Rose H. Goldman 1*, Amy P. Cohen 2, Fred Sheahan 2 1 Cambridge Health Alliance, Harvard School of Public Health, Harvard Medical School2 Harvard School of Public Health Objectives. We evaluated whether "seminar blogs" enhanced learning in a large graduate-level introductory public health school class. Methods. Sixty students were divided into 6 online blog groups. Students posted their assignments (case analyses, news commentaries), prompting comments from other students. Anonymous poll surveys of students were conducted at midpoint and at the end of the course. Results. Sixty percent reported that blog participation enriched their learning quite a bit, 34% a small amount, and 6% not at all; 54% said that the blogs provided opportunities to learn from classmates. When comparing writing on the blog to speaking in class, 60% found it easier, 30% about the same, and 10% harder. About 65% said that skills attained by participating in blogs were useful for current or future work. Major criticisms involved time issues. Conclusions. Small seminar blogs offer opportunities for increased student participation, interaction, and learning. To be most effective and appealing, assignments for postings need to allow sufficient time for commentary. This educational technology has potential to expand the classroom experience and is worthy of further development and testing

PS: Para os interessados em ler a íntegra do artigo, favor entrar em contato comigo, por e-mail (bete_k@yahoo.com)

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Velhos remédios, novas indicações

Grupo acha novos usos para remédios investigando bulas


As tediosas bulas de remédio podem ser uma inesperada fonte de descoberta científica, mostra um grupo de pesquisadores europeus. Analisando efeitos colaterais descritos nas bulas de 746 remédios aprovados e comercializados, os cientistas acharam possíveis novos usos terapêuticos para pelo menos treze dessas drogas.Achar novas aplicações para drogas existentes é algo relativamente comum, mas descobertas desse tipo em geral surgem de golpes de sorte e pesquisas não sistemáticas. O princípio ativo do Viagra, por exemplo, foi antes usado contra angina.O grupo de Peer Bork, do Laboratório Europeu de Biologia Molecular, de Heidelberg (Alemanha), porém, decidiu usar um método organizado. Fez uma varredura em centenas de bulas para procurar informações sobre efeitos colaterais que poderiam dar pistas sobre se uma droga com as mesmas propriedades serviria contra doenças diferentes.Bork descobriu, por exemplo, que o donepezil, usado para diminuir a perda de memória em vítimas do mal de Alzheimer, tem um alvo comum com o medicamento antidepressivo venlafaxina, sugerindo que ela também poderia ser usada contra a depressão. Essa e outras descobertas foram relatadas em estudo na edição de hoje da revista científica "Science".A vantagem de pesquisar novos usos para drogas já usadas é encurtar o tempo de testes clínicos. A aprovação de uma nova droga pode levar até 15 anos desde sua descoberta, com testes em tubos de ensaio, cobaias e humanos.

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Saúde na Escola

Saúde na Escola

Amanda Polato 11/09/2007

Dizem que só pensamos em saúde quando estamos doentes. Talvez seja mesmo na hora de enfrentar os corredores e quartos de hospitais que nos damos conta do quanto era bom ser saudável. Para muitas pessoas, a primeira coisa que vêm a mente ao pensar em saúde é a prevenção e cura de doenças. Mas o conceito é mais amplo do que isso, e mudou ao longo dos tempos.
Entrou nas escolas reduzido a questões de higiene. Lavar as mãos, escovar os dentes e manter o ambiente limpo serviam para prevenir doenças. Nada muito além disso. Hoje fala-se em Promoção em Saúde, que é um processo educativo em que os conhecimentos dos alunos e comunidade são aproveitados para discutir temas relacionados à qualidade de vida. A Organização Mundial da Saúde define o conceito de saúde como sendo um completo bem-estar físico e mental. Será que a escola está a par desse debate?
O pesquisador Marcos Henrique Fernandes, investigou qual a concepção de saúde que professores da cidade de Natal tinham sobre saúde. O resultado está descrito em detalhes na dissertação de mestrado A Concepção sobre Saúde Escolar de Professores de Ensino Fundamental, defendida na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O que ele constatou foi que há muito despreparo para lidar com o tema. Os professores não compreendem o real significado de saúde e continuam tratando apenas do aspecto de higiene. Marcos defende que o assunto seja abordado, de fato, como tema transversal e apareça em diversas disciplinas. "Precisamos pensar na saúde como parte da cidadania, pensando em questões de alimentação, moradia, emprego", sustenta o pesquisador.
Falar de saúde em sala de aula é uma ótima oportunidade para relacionar o conhecimento científico com o cotidiano dos alunos. Além disso, os conhecimentos adquiridos costumam ser transferido para familiares e outras pessoas presentes na vida das crianças. Esses e tantos outros argumentos para educar para a saúde na escola acabam se perdendo e o tema não entra satisfatoriamente no currículo. Por quê? É em busca dessa explicação que Marcos desenvolve seu projeto de doutorado, também pela UFRN. Dessa vez, ele investiga o que pensam e o que fazem os professores de ensino fundamental quando o tema é saúde. Quer dizer, será que o professor que deve falar sobre isso está preocupado com o seu próprio bem-estar e está se cuidando? "Pelo o que levantei até agora, os dados não são animadores", conta Marcos.
Recentemente as Secretarias Municipais de Saúde e de Educação de São Paulo, em parceria com a Universidade Federal de São Paulo, fizeram um piloto do programa Aprendendo com Saúde, em que equipes de médicos e enfermeiros avaliam as condições de saúde dos alunos (com autorização dos pais) e encaminham os casos que necessitam de atendimento especializado. Cerca de 70% de 4 mil crianças atendidas foram encaminhadas a dentistas, oftalmologistas, pediatras, cirurgiões infantis, entre outros especialistas.
O atendimento é extremamente necessário e as escolas e alunos só tem a ganhar com parcerias desse tipo. O que não quer dizer resolver o problema. Sabemos que os educadores têm uma série de papéis a cumprir e desafios a enfrentar, mas a Educação em Saúde não pode ser deixada de lado. Afinal, estamos falando de algo essencial para a vida dos estudantes e também dos próprios professores.

sábado, 21 de junho de 2008

"Translational Medicine"

Translational Medicine: Science or Wishful Thinking?
Martin Wehling
Journal of Translational Medicine 2008, 6:31doi:10.1186/1479-5876-6-31
Published: 17 June 2008
Abstract (provisional)

"Translational medicine" as a fashionable term is being increasingly used to describe the wish of biomedical researchers to ultimately help patients. Despite increased efforts and investments into R&D, the output of novel medicines has been declining dramatically over the past years. Improvement of translation is thought to become a remedy as one of the reasons for this widening gap between input and output is the difficult transition between preclinical ("basic") and clinical stages in the R&D process. Animal experiments, test tube analyses and early human trials do simply not reflect the patient situation well enough to reliably predict efficacy and safety of a novel compound or device. This goal, however, can only be achieved if the translational processes are scientifically backed up by robust methods some of which still need to be developed. This mainly relates to biomarker development and predictivity assessment, biostatistical methods, smart and accelerated early human study designs and decision algorithms among other fea-tures. It is therefore claimed that a new science needs to be developed called 'translational science in medicine'.


sexta-feira, 20 de junho de 2008

Cotas nas Universidades Públicas

Unicamp, Unesp e mais 26 universidades públicas divulgam manifesto contra lei de cotas
Bruno Aragaki (São Paulo)

Foi entregue na última semana ao presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP) um manifesto contrário ao projeto de lei que cria cotas em universidades federais e estaduais.O projeto estipula reserva de 50% das vagas para quem cursou o ensino médio em escolas públicas. Dentro dessa cota também haverá reserva para negros e indígenas proporcionalmente à presença desses grupos em cada Estado.Os coordenadores de vestibular das 28 universidades públicas que assinam o manifesto criticam o uso de "mesmo critério de seleção em todas as instituições públicas do país".

Universidades contra o projeto de cota de 50% para escola pública:
Uesc / BH

"Assuntos dessa natureza precisam ser discutidos, decididos e validados internamente", diz o documento assinado pelos responsáveis de alguns dos maiores vestibulares do país, como Unicamp (Universdiade Estadual de Campinas), Unesp (Universidade Estadual Paulista) e UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).O manifesto diz ainda que as instituições são "favoráveis a medidas de ação afirmativa" e diz que "hoje em dia mais de 50 instituições públicas adotam políticas afirmativas".Na Unicamp, que distribuiu o manifesto a imprensa, foi adotado sistema de bônus para alunos de escola pública. Esses estudantes têm 30 pontos a mais no vestibular.O projeto, da deputada Nice Lobão (DEM-MA) deve voltar à pauta nas próximas duas semanas. O projeto havia sido retirado de votação em 20 de maio por "falta de consenso" entre os líderes partidários da Câmara.

terça-feira, 17 de junho de 2008

O SUS em Construção

O SUS em construção

Beto Durán - CEBES (Londrina)

Este ano o SUS, Sistema Único de Saúde, completa 20 anos. Enganam-se os que pensam que o SUS já está construído em definitivo. Sua construção se dá de acordo com o processo de saúde-doença de nossa população. Após muitos avanços e conquistas, o SUS vive ainda hoje seu constante gargalo, o financiamento.
Desde sua conquista, o SUS e seus usuários sofrem com um financiamento inadequado e instável que impede a universalidade e a resolutividade nos serviços básicos. Trabalhadores de saúde sofrem com baixos salários e com a limitação imposta por serviços mal geridos e sucateados. Mesmo neste contexto desfavorável, o SUS demonstra suas qualidades com imensa oferta de serviços e inclusão social. Em 2007 foram realizadas 2,7 bilhões de procedimentos ambulatoriais com 610 milhões de consultas e 403 milhões de exames laboratoriais. Tudo isto com um financiamento de US$236 por brasileiro ano.
Estes números não são apresentados com o objetivo de esconder os dados negativos do setor saúde ou para dizer que um financiamento melhor resolveria todos os problemas do SUS. Queremos sim demonstrar que o país que decidiu ter um sistema de saúde universal, deve priorizá-lo com um financiamento seguro e adequado. Os recursos para saúde devem ser entendidos como investimento na população brasileira e não gastos sem retorno.
Uma gestão dos serviços de saúde mais eficiente e transparente também deve ser pautada em nossas discussões. A qualidade do atendimento e sua humanização deve ser o elo entre trabalhadores de saúde e usuários do sistema, sendo o usuário o centro de nosso modelo de atenção e de nossos esforços.
O Centro Brasileiro de Estudos em Saúde – CEBES núcleo Londrina é a favor da Emenda Constitucional 29 aprovada pelo Senado. Acreditamos que sua aprovação é possível sem a criação da Contribuição Social da Saúde. Defendemos um SUS universal, humanizado e com qualidade para todos os cidadãos.
Devemos conhecer o SUS não para aceitá-lo, mas para assumir o compromisso de todo cidadão em sua construção. A população possui direitos garantidos e deveres assumidos com o controle social e deve atuar em parceria com os gestores na identificação de problemas e construção de soluções. Sua participação crítica, reflexiva e propositiva é essencial para a construção de nosso ainda inacabado SUS.

Alberto Durán González – CEBES Núcleo Londrina.
[ betoduran_fbq@yahoo.com.br – (43) 9916-8297 ]

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Como distribuir melhor os médicos que formamos?

Estive em Brasília no II Seminário do Pró-Saúde e ouvi que o MS pretende estabelecer uma parceria maior com as Forças Armadas para aumentar o número de profissionais de saúde fazendo o Serviço Militar obrigatório (melhor que o serviço civil que vinha sendo proposto) e estimular a entrada nos Corpos de Saúde das Forças. Como as FFAAs estão presentes onde os civis não chegam (ou não querem chegar), trata-se de uma forma interessante de interiorizar os profissionais.
Uma outra idéia em estudo é a de tornar a Medicina uma profissão de Estado. Da mesma forma que o Ministério Público ou a Magistratura, o profissional em início de carreira iria para municípios menores, mudando para outras cidades na medida da progressão na carreira.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Cotas nas Universidades

Qual sua opinião sobre o assunto? Particularmente, sou muito reticente ao princípio das cotas mas acho que esta discussão deve se fazer no nível das idéias. Portanto, não aproveitem este espaço para destilar rancores nem para agressões. Reforçando que não defendo cotas mas sou profundamente e irremediavelmente amante do conflito de idéias, reproduzo abaixo um texto do pessoal da UERJ onde existe uma experiência interessante de cotas.

Os 10 Mitos sobre as cotas
1- as cotas ferem o princípio da igualdade, tal como definido no artigo 5º da Constituição, pelo qual "todos são iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza". São, portanto, inconstitucionais. Na visão, entre outros juristas, dos ministros do STF, Marco Aurélio de Mello, Antonio Bandeira de Mello e Joaquim Barbosa Gomes, o princípio constitucional da igualdade, contido no art. 5º, refere-se a igualdade formal de todos os cidadãos perante a lei. A igualdade de fato é tão somente um alvo a ser atingido, devendo ser promovida, garantindo a igualdade de oportunidades como manda o art. 3º da mesma Constituição Federal. As políticas públicas de afirmação de direitos são, portanto, constitucionais e absolutamente necessárias.
2- as cotas subvertem o princípio do mérito acadêmico, único requisito que deve ser contemplado para o acesso à universidade. Vivemos numa das sociedades mais injustas do planeta, onde o "mérito acadêmico" é apresentado como o resultado de avaliações objetivas e não contaminadas pela profunda desigualdade social existente. O vestibular está longe de ser uma prova equânime que classifica os alunos segundo sua inteligência. As oportunidades sociais ampliam e multiplicam as oportunidades educacionais.
3- as cotas constituem uma medida inócua, porque o verdadeiro problema é a péssima qualidade do ensino público no país. É um grande erro pensar que, no campo das políticas públicas democráticas, os avanços se produzem por etapas seqüenciais: primeiro melhora a educação básica e depois se democratiza a universidade. Ambos os desafios são urgentes e precisam ser assumidos enfaticamente de forma simultânea.
4- as cotas baixam o nível acadêmico das nossas universidades. Diversos estudos mostram que, nas universidades onde as cotas foram implementadas, não houve perda da qualidade do ensino. Universidades que adotaram cotas (como a Uneb, Unb, UFBA e UERJ) demonstraram que o desempenho acadêmico entre cotistas e não cotistas é o mesmo, não havendo diferenças consideráveis. Por outro lado, como também evidenciam numerosas pesquisas, o estímulo e a motivação são fundamentais para o bom desempenho acadêmico.
5- a sociedade brasileira é contra as cotas. Diversas pesquisas de opinião mostram que houve um progressivo e contundente reconhecimento da importância das cotas na sociedade brasileira. Mais da metade dos reitores e reitoras das universidades federais, segundo ANDIFES, já é favorável às cotas. Pesquisas realizadas pelo Programa de Políticas da Cor, na ANPED e na ANPOCS, duas das mais importantes associações científicas do Brasil, bem como em diversas universidades públicas, mostram o apoio da comunidade acadêmica às cotas, inclusive entre os professores dos cursos denominados "mais competitivos" (medicina, direito, engenharia etc). Alguns meios de comunicação e alguns jornalistas têm fustigado as políticas afirmativas e, particularmente, as cotas. Mas isso não significa, obviamente, que a sociedade brasileira as rejeita.
6- as cotas não podem incluir critérios raciais ou étnicos devido ao alto grau de miscigenação da sociedade brasileira, que impossibilita distinguir quem é negro ou branco no país. Somos, sem dúvida nenhuma, uma sociedade mestiça, mas o valor dessa mestiçagem é meramente retórico no Brasil. Na cotidianidade, as pessoas são discriminadas pela sua cor, sua etnia, sua origem, seu sotaque, seu sexo e sua opção sexual. Quando se trata de fazer uma política pública de afirmação de direitos, nossa cor magicamente se desmancha. Mas, quando pretendemos obter um emprego, uma vaga na universidade ou, simplesmente, não ser constrangidos por arbitrariedades de todo tipo, nossa cor torna-se um fator crucial para a vantagem de alguns e desvantagens de outros. A população negra é discriminada porque grande parte dela é pobre, mas também pela cor da sua pele. No Brasil, quase a metade da população é negra. E grande parte dela é pobre, discriminada e excluída. Isto não é uma mera coincidência.
7- as cotas vão favorecer aos negros e discriminar ainda mais aos brancos pobres. Esta é, quiçá, uma das mais perversas falácias contra as cotas. O projeto atualmente tramitando na Câmara dos Deputados, PL 73/99, já aprovado na Comissão de Constituição e Justiça, favorece os alunos e alunas oriundos das escolas públicas, colocando como requisito uma representatividade racial e étnica equivalente à existente na região onde está situada cada universidade. Trata-se de uma criativa proposta onde se combinam os critérios sociais, raciais e étnicos. É curioso que setores que nunca defenderam o interesse dos setores populares ataquem as cotas porque agora, segundo dizem, os pobres perderão oportunidades que nunca lhes foram oferecidas. O projeto de Lei 73/99 é um avanço fundamental na construção da justiça social no país e na luta contra a discriminação social, racial e étnica.
8- as cotas vão fazer da nossa, uma sociedade racista. O Brasil esta longe de ser uma democracia racial. No mercado de trabalho, na política, na educação, em todos os âmbitos, os/as negros/as têm menos oportunidades e possibilidades que a população branca. O racismo no Brasil está imbricado nas instituições públicas e privadas. E age de forma silenciosa. As cotas não criam o racismo. Ele já existe. As cotas ajudam a colocar em debate sua perversa presença, funcionando como uma efetiva medida anti-racista.
9- as cotas são inúteis porque o problema não é o acesso, senão a permanência. Cotas e estratégias efetivas de permanência fazem parte de uma mesma política pública. Não se trata de fazer uma ou outra, senão ambas. As cotas não solucionam todos os problemas da universidade, são apenas uma ferramenta eficaz na democratização das oportunidades de acesso ao ensino superior para um amplo setor da sociedade excluído historicamente do mesmo. É evidente que as cotas, sem uma política de permanência, correm sérios riscos de não atingir sua meta democrática.
10- as cotas são prejudiciais para os próprios negros, já que os estigmatizam como sendo incompetentes e não merecedores do lugar que ocupam nas universidades. Argumentações deste tipo não são freqüentes entre a população negra e,menos ainda, entre os alunos e alunas cotistas. As cotas são consideradas por eles, como uma vitória democrática, não como uma derrota na sua auto-estima, ser cotista é hoje um orgulho para estes alunos e alunas. Porque, nessa condição, há um passado de lutas, de sofrimento, de derrotas e, também, de conquistas. Há um compromisso assumido. Há um direito realizado. Hoje, como no passado, os grupos excluídos e discriminados se sentem mais e não menos reconhecidos socialmente quando seus direitos são afirmados, quando a lei cria condições efetivas para lutar contra as diversas formas de segregação. A multiplicação, nas nossas universidades, de alunos e alunas pobres, de jovens negros e negras, de filhos e filhas das mais diversas comunidades indígenas é um orgulho para todos eles.
Fonte: Laboratório de Políticas Públicas/ UERJ


Na Noruega, cerca de 3961 estudantes da 7ª série bateram recorde em treinamento simultaneo em ressuscitação, simulados com bonecos. (http://noticias.uol.com.br/album/080526_album.jhtm?abrefoto=22) .

Bem diferente do Brasil, segundo país no mundo em número de escolas médicas, que não apresenta um laboratório de habilidades completo em muitas destas faculdades. Apesar do bom resultado no Enade, percebemos as dificuldades, quando os alunos reclamam de falta de atividades práticas. Então me pergunto: 1º lugar em quê?

domingo, 18 de maio de 2008

Data de Publicação: 15/05/2008Seção: CRMPR

Médicos poderão sugerir alterações no Código de Ética pela internet

A Comissão Nacional de Revisão do Código de Ética Médica se reuniu nesta quinta-feira (15) e decidiu que sugestões ao novo texto do Código poderão ser feitas, por médicos, por meio do Portal Médico – site do CFM na internet. As contribuições serão recebidas pelas Comissões Estaduais de Revisão, que irão encaminhá-las à Comissão Nacional.
A reunião foi coordenada pelo conselheiro José Fernando Maia Vinagre, vice-corregedor do CFM. Segundo ele, foram criadas, dentro da Comissão Nacional, subcomissões que terão, entre outras finalidades, analisar as questões referentes a Bioética e Resoluções do CFM, que poderão resultar em novos artigos do Código de Ética Médica.
A próxima reunião da Comissão será em 18 de junho, pela manhã. À tarde, a reunião será ampliada com os coordenadores das Comissões Estaduais.
O Portal Médico deverá oferecer um mecanismo, elaborado pelo Setor de Informática do CFM, para receber as contribuições ao novo texto.
De acordo com o chefe de setor de tecnologia da informação do CFM, Goethe Ramos, será disponibilizado um formulário para as contribuições, condicionadas a um cadastramento prévio para as entidades da sociedade civil e entidades médicas. Os médicos entrarão com o número do CRM. A idéia é ter um chamado hotsite agregado ao Portal Médico com informações sobre a Revisão do Código de Ética e o formulário que acolherá sugestões para essa primeira fase que está acontecendo no âmbito dos Estados

sábado, 17 de maio de 2008


No próximo dia 30 participaremos da oficina da Comissão de Avaliação do Ensino Médico (CAEM) em São Paulo. Do DMD-UEM irão dois discentes para compor o treinamento, que irá se estender até o final do ano, em encontros presenciais. No final do ano, virá uma comissão da ABEM para analisar a avaliação feita pela escola. É importante neste momento que os alunos respondam a auto-avaliação da escola, online, disponível no site da UEM. Passada a comoção pelo resultado do Enade, deveremos fazer a análise criteriosa sobre os resultados obtidos e colocar em discussão a grade curricular.
Para os interessados em conhecer o projeto CAEM, entrem no site :http://www.caem.org.br/

quarta-feira, 7 de maio de 2008


Recentemente, iniciamos o Projeto de Mentoring com os alunos das seis séries do Curso, sob coordenação da Profª Ângela Lima. Gostaríamos de saber a sua opinião sobre esta iniciativa.

domingo, 4 de maio de 2008

Deve haver contrapartida ao ensino público?

Deve haver contrapartida ao ensino público?
Tema desperta controvérsia. Veja o que acham políticos e acadêmicos
Publicado em 22/04/2008 - 10:00
Marcel Frota
Os estudantes universitários do ensino público deveriam de alguma forma pagar ou compensar o Estado pela gratuidade de seu ensino? A questão é controversa e por enquanto nada de concreto foi feito para mudar ou aperfeiçoar o modelo atual de financiamento do Ensino Superior público. Segundo o MEC (Ministério da Educação) em 2007 o custo anual de cada aluno de universidade federal aos cofres públicos foi R$ 15.118,04 - ainda não há dados referentes a 2008. A meta do ministério é que esse custo chegue a R$ 9.403,39 até 2012 com os esforços do Reuni (Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais).
O deputado federal João Matos (PMDB-SC), presidente da comissão de Educação da Câmara, acha que uma contrapartida à gratuidade poderia ser justa. "Quem não teve o privilégio de nascer numa família mais abastada, via de regra, acaba por estudar e disputar vagas em universidades privadas. Paga pelos seus estudos", diz o parlamentar, que pondera a respeito da contrapartida por meio da prestação de serviços por parte dos estudantes. "Acho muito justo uma vez que quem entra numa universidade paga. (A prestação de serviços) poderia sim ter uma forma de financiar o estudo daqueles que não pagam. De repente dedicar algum tempo para o interesse comunitário", afirma Matos, que admite que algo dessa natureza não teria êxito se não fosse obrigatório. "Se for opcional não funciona", acredita ele.
O deputado faz uma crítica ao modelo de financiamento do Ensino Superior público, que classificou como "equivocado". "Temos de adotar um modelo que permita o acesso e a permanência de mais estudantes. Poderíamos nos espelhar num modelo internacional qualquer que atendesse nossas necessidades. Cobrar uma contrapartida por meio de prestação de serviços poderia ser uma forma de permitir ao governo direcionar mais verbas para financiar o estudo de mais alunos", opina o deputado. Nesse sentido, o governo sinaliza com a possibilidade de usar a mão-de-obra dos recém-formados para financiar a concessão de bolsas.
No mês de março, o MEC anunciou que pretende viabilizar o pagamento das dívidas do Fies (Programa de Financiamento Estudantil) através da prestação de serviços. O governo está interessado principalmente nos estudantes de Medicina e Pedagogia, quer direcionar os médicos recém-formados para suprir a deficiência de regiões mais pobres do Brasil. O mesmo com professores. Falta aparar arestas com a área financeira da União, que teria de abrir mão de boa parte de recursos com o não-pagamento das dívidas. O Fies é usado para bancar a graduação de estudantes de instituições particulares que não podem pagar as mensalidades. Só podem usar o Fies estudantes matriculados em universidades cadastradas no programa e com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC.
Para o senador Critovam Buarque, presidente da comissão de Educação do Senado, todo curso tido como de interesse público deveria ser oferecido gratuitamente pelo Estado, sem a cobrança de qualquer contrapartida. A idéia de Buarque é que o MEC elabore uma lista de cursos de interesse público de tempos em tempos, para nortear as autoridades sobre quais seriam os cursos gratuitos. "O Brasil precisa de médicos, engenheiros, professores... tem de ser de graça, independentemente de ser (ministrado em universidade) estatal ou privada. Quem quisesse ser professor não deveria pagar pelo curso. Agora, aqueles cursos que não são de interesse ou que tiver profissional de sobra deveria ser pago. Porque nesse caso, a pessoa estuda somente pelo interesse pessoal dela", diz Buarque.
O senador acha também que deveria ser feita a opção de levar os estudantes recém-formados para trabalhar em cidades do interior do Brasil como forma de melhorar a formação deles. Ele reconhece que não há viabilidade política de se aprovar um projeto como esse no Congresso, mas não se mostra desestimulado por causa disso. "Não vou propor somente coisas que acho que serão aprovadas", resume. Buarque estima em 400 mil o déficit de professores no Brasil e diz que embora o custo para a formação desses profissionais seja alto, mais alto ainda é a ausência dos mesmos para a sociedade. "Ninguém pergunta o quanto vai custar não fazer alguma coisa. As pessoas só sabem questionar o quanto custa fazer determinada coisa. Mas quanto vai custar para o Brasil não formar esses professores de que precisamos?", questiona o parlamentar.
A idéia de se cobrar mensalidades dos alunos de graduação do ensino público já foi ventilada nos debates acerca de possíveis contrapartidas à gratuidade do Ensino Superior público. Entretanto, poucos são os defensores de tal proposta. Para os que defendem, existe o argumento de que no setor público estão, predominantemente, alunos vindos de classes sociais mais endinheiradas oriundas de escolas privadas de ensino Fundamental e Médio. Aí se estabeleceria o paradoxo: o ensino público seria dominado por estudantes que têm condições de pagar enquanto os estudantes de baixa renda, advindos do ensino fundamental público - com menor qualidade -, teriam de financiar seus estudos na iniciativa privada.
Esta linha de raciocínio, aliada à imensa maioria de vagas de Ensino Superior concentrada na iniciativa privada, restringiria ainda mais o acesso daqueles que tiveram formação em escolas fundamentais de menor qualidade. O censo realizado pelo MEC em 2005 apontou que 89% das Instituições de Ensino Superior eram privadas. Do total de 4.453.156 universitários brasileiros, 3.260.967 alunos estudavam em cursos de graduação privados e 1.192.189, em instituições públicas. Pelo levantamento do governo, o setor privado domina também a oferta de novas vagas em nível superior (87,1%) e o número de nos cursos (69,7%).
José Dias Sobrinho, professor titular aposentado da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e docente de pós-graduação em Educação da Uniso (Universidade de Sorocaba), rechaça a possibilidade de cobrança de mensalidades em universidades públicas. "O ensino público deve ser gratuito de qualidade em todos os níveis. É dever do Estado. Não é por meio de privatização que se atingirá a equidade. O que o Estado tem de fazer é abrir o acesso ao ensino público. E quando não atende a todos, criar programas como o Prouni e o Reuni", declara Dias.
Sobre a possibilidade de o governo usar a mão-de-obra dos estudantes das universidades públicas, Dias se coloca relativamente simpático à idéia. "Digamos que não seja contra isso, mas não é o essencial. Não deveria uma coisa ser vinculada a outra. A contrapartida está no âmbito da ética pública, todos os cidadãos tem obrigações de operar na responsabilidade pública. Não diria que a prestação de serviços posterior devesse ser uma condição para a freqüência num ensino de qualidade", pondera o professor.
O argumento de que há uma preponderância de alunos endinheirados no ensino público Superior é questionado pela ex-diretora da Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo), Ivette Senise. Segundo ela, "criou-se uma fantasia que não está baseada em fatos". "Na USP tem havido uma facilitação para a inserção dos alunos das escolas públicas. Embora o Vestibular seja mais difícil, ele esta baseado no mérito pessoal. Infelizmente a escola pública tem sido vítima de descaso do poder público, mas mesmo assim temos muitos alunos na USP vindos do ensino público. É preciso concentrar esforços no sentido de melhorar as escolas públicas", afirma Ivette.
Sobre a possibilidade de contrapartida por meio do uso de mão-de-obra, Ivette se mostrou contrária à proposta na graduação. "Os cursos de graduação devem ser oferecidos sem contrapartida. Mas a coisa muda de figura na pós-graduação. Quem faz esses cursos são profissionais já colocados no mercado e com alguma estrutura. Na graduação é diferente porque os alunos estão em preparação e precisam se situar", opina ela.