segunda-feira, 29 de julho de 2013

Saúde Coletiva

Núcleo de Saúde Coletiva ganha título de utilidade pública

O prefeito de Londrina Alexandre Kireeff sancionou em 26/07/2013, às 14 horas, durante solenidade no seu gabinete, o título de Utilidade Pública ao Instituto de Estudos em Saúde Pública (iNESCO), mantido pelas Universidades Estaduais UEL, UEM e UEPG nos últimos 25 anos.

O iNESCO, que até janeiro deste ano era denominado Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESCO) completa 25 anos em 2013 e sua criação – inicialmente na UEL – está relacionada com o movimento da Reforma Sanitária Brasileira, na década de 1980.

A maior conquista da instituição, segundo seu presidente João José Batista de Campos, docente do Departamento de Saúde Comunitária, do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da UEL, são as criações de Mestrado e Doutorado em Saúde Coletiva, mas desde seu início vem tendo grande importância na criação de recursos humanos para o SUS. Segundo ele, o compromisso principal é com a melhoria da saúde da população.

Entre os principais projetos, muitos deles desenvolvidos em parceria com o município, estado e Ministério da Saúde, estão: Projeto Uni, Projeto Universidaids, Projeto Distrito Saudável, Biblioteca Comunitária, Rede Nacional de Observatórios da Gestão Participativa do SUS, Plano Diretor do Observatório de Recursos Humanos em Saúde do Paraná, Programa de Qualificação e Fortalecimento da Gestão Estratégica do SUS, além da realização de diversos eventos, cursos de capacitação de enfermeiros, médicos e técnicos em enfermagem e lançamento de livros e revistas relacionados à Saúde Coletiva.

“Seguramente, a atuação do iNESCO tem grande impacto na saúde coletiva no Paraná e até mesmo em nível nacional”, ressalta João Campos. 

FONTE: Agência de Notícias da UEL (Universidade Estadual de Londrina)

sábado, 27 de julho de 2013

Medicina em Áreas Remotas

'Any body is better than nobody?' Ethical questions around recruiting and/or retaining health professionals in rural areas

Author(s) : Simpson C, McDonald F.

Christy Simpson

Fiona McDonald
Rural and Remote Health 11: 1867. (Online) 2011.



The literature on recruiting and/or retaining health professionals in rural areas focuses primarily on the development of recruitment and retention strategies and assessing whether such strategies are effective. The objective of this article is to argue that it is important for all stakeholders involved in rural recruitment and/or retention processes to consider their decisions and actions from an ethics perspective. Recruitment and/or retention processes are not value neutral and it is important to understand their ethical dimensions.


From the literature, elements of the recruitment and/or retention strategies that have been employed were identified and organised in respect of levels of governance (namely, the levels of health system/government, community, and individual health professionals). The elements identified in these levels were subjected to analysis to identify their ethical dimensions and to determine whether a clash or complement of values arose at each level of governance or between governance levels.


There is very little literature in this area that considers the ethical dimensions of rural recruitment and/or retention processes. However, all policies and practices have ethical dimensions that need to be identified and understood as they may have significant implications for recruitment and/or retention processes.


This article recommends the application of an ethics perspective when reflecting on rural recruitment and/or retention strategies. The collective decisions of all involved in rural recruitment and/or retention processes may fundamentally influence the 'health' (broadly understood) of rural communities.
Key words: ethics, recruitment and retention, rural health, rural service, workforce. 

For full text article, click here.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Compromisso do Professor

Remembering Our Mission to Teach

Have you ever become so frustrated with students and overwhelmed by your workload that you start questioning what you are doing? At times it can feel suffocating. Baruti Kafele, an educator and motivational speaker offers a perspective of being mission oriented to educators and others working with young people in our nation’s classrooms. He suggests affirming your goals and motivations to facilitate successes among students. However, in the college classroom, it is also essential that we, as faculty members, remember and affirm our purpose, acknowledge the contributions we make in students’ lives and professional pursuits, and respect the call or passion that brought each of us to the teaching profession. 

What is Mission Oriented?
In this context, mission orientation acknowledges how faculty members serve, impact, and influence the lives of others. It begs to question: How do faculty members, energize, reignite, and in some instances, recapture that which motivates our work with students? What contributions are we making to the lives of the students we teach? Have we become derailed from the mission to contribute to others in a profound and significant way? And, if so, how do we get back on track? 

It is in the spirit of mission orientation that we offer in this article two contributions faculty members should consider—thinking deeply and building relationships. Both contributions represent and respect a mission to teach and influence the lives of others.

Teaching and Thinking
Teaching and thinking are paramount to the mission. However, it’s not just teaching students the content; it’s helping students think deeply about the content that is most impactful. Faculty members are invested in, and passionate about, their content. We seize upon opportunities to impart knowledge to, and share their passion for, the discipline with our students. We plan activities and exercises to help students apply the content in a real world context. Faculty members comb the Internet, attend conferences, and read professional literature to enhance our expertise. We do all of this to ensure students have a deep and rich pool of knowledge in which to swim. 

Processing all of this new information often causes moments of cognitive dissonance for many students. Faculty members engage in discussions that require students to reflect, analyze, and synthesize information in a larger context. As students begin to value and organize this new information, old schemes of thinking are challenged, deepened, or replaced. The freefalling emotionality of thinking can create uncertainty and discomfort for students. As Henry Ford said, “Thinking is the hardest work there is, which is the probable reason why so few engage in it.” However, it is that cognitive dissonance which supports a deepening of students’ thinking. Affording students opportunities to think deeply about the information shared in college classrooms greatly contributes to the mission of helping students find successes in their personal and professional pursuits. Certainly, teaching students to think deeply about their course content is arguably one of the most important contributions we make. However, there is another contribution that has the potential to impact students’ lives in a real and significant way—relationship building.

Building Relationships with Students
When faculty members create quality relationships with their students, it becomes a bridge between the faculty member and student to confer, collaborate, and communicate. For example, it provides a path for faculty members to support students’ disposition development for learning and life. It helps faculty members advocate for students’ needs, and it creates a space to learn who our students are—their backgrounds, cultures, and personalities. 

It also can cushion the impact when we have to engage in difficult conversations with students, or serve as a catalyst when we want to recognize students who have distinguished themselves in an exceptional way. Through the relationships that we create with the students, various avenues open and honest conversations emerge about the student’s needs, struggles, successes, and triumphs. It also allows for faculty members and students to strategize together how best to bolster the successes and address challenges. 

Modeling relationship-building strategies contributes to the mission of helping students find successes in all aspects of their lives. Students can use the strategies they learned from faculty as a skill later in life to build relationships with others. As a part of the contribution, it is important for the faculty member to model and equip students with not only the content knowledge of their discipline, but also the skills to see other perspectives and seek opportunities to help others find success, as they have. Building healthy and meaningful relationships with students provides powerful opportunities to impact their lives, and hopefully, the student will pay it forward. 

In conclusion, helping students think deeply and building quality relationships are certainly not the only contributions faculty make to the mission. But, they do stand as two pillars rooted in the foundation of the mission to teach and influence lives. As we remind ourselves of this purpose, we must also remember and reflect on the contributions we make to the mission, the many students whose lives are impacted, and the unique gifts we offer. Remembering the contributions to the mission of teaching can be energizing and uplifting, and may help answer that question, “What am I doing here?” Hopefully, the answer is, “I am here to teach and influence the life and professional pursuits of the students I work with every day!” 

Dr. Candice Dowd Barnes is an assistant professor at the University of Central Arkansas. Dr. Patricia Kohler-Evans is an associate professor at University of Central Arkansas.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Programa Mais Médicos

Posição oficial da ABEM sobre o Programa Mais Médicos

A Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM) está há 50 anos comprometida com o desenvolvimento da educação médica no país, visando à formação de um profissional capaz de atender às necessidades de saúde da população, contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Por esta razão, a ABEM vem a público manifestar que continuará contribuindo, de maneira democrática, com os processos de avanço em educação e saúde. Assim:

1. Manifesta-se contrária à forma autoritária com que foram decididas as medidas do Programa “Mais Médicos” pelo Governo Federal, sem consulta às entidades e escolas médicas; 2. Reitera seu posicionamento favorável ao Revalida, nos moldes atuais, como instrumento de revalidação de diplomas médicos obtidos no exterior;
3. Manifesta-se contrária ao aumento da duração do curso de graduação em medicina para oito anos;
4. Destaca que as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de medicina já determinam a formação prática nos três níveis de assistência no SUS;
5. Ressalta que, para diminuir a carência de médicos no SUS, faz‐se necessário um plano de carreira, uma política salarial e melhores condições de trabalho com responsabilização dos gestores;
6. Defende a oportunidade de Residência Médica de qualidade para todos, com distribuição de vagas em função das necessidades sociais.
7. Manifesta‐se contrária à abertura indiscriminada de vagas de graduação em medicina.

Conscientes de que o Brasil enfrenta graves problemas de financiamento, gestão, provimento e fixação de profissionais na área da saúde, entendemos que a Medida Provisória n.o 621 não soluciona esses problemas.

Portanto, defendemos a rejeição da Medida Provisória nº 621 e conclamamos toda a sociedade para discutir as questões relacionadas à educação médica e propor soluções, como temos feito ao longo das últimas décadas.

São Paulo, 16 de julho de 2013

domingo, 14 de julho de 2013


MedEdPORTAL Overview

MedEdPORTAL Publications promotes educational scholarship and collaboration by facilitating the open exchange of peer-reviewed health education teaching and assessment resources.
MedEdPORTAL Publications is a free publication service provided by the Association of American Medical Colleges in partnership with the American Dental Education Association. MedEdPORTAL Publications maintains a rigorous peer review process based on standards used in the scholarly publishing community. Each submission is scrutinized by editorial staff and independent reviewers using a standardized review instrument grounded in the tenets of scholarship. Published authors receive a formal citation for their accepted publication. MedEdPORTAL publications are considered by many to be scholarly works that may support faculty advancement decisions.
The vision of MedEdPORTAL is to:
  • Succeed as the most utilized, cited, and influential health education resource publication.
  • Serve as the premier clearinghouse of high-quality, peer–reviewed health education tools.
  • Promote interprofessional collaboration by facilitating the open exchange of educational resources across the health professions.
  • Equip healthcare professionals across the continuum with effective and efficient educational resources to improve patient care.

sábado, 13 de julho de 2013


Ministério da Saúde aumenta valor da bolsa dos médicos do Provab
Bolsa passará de R$ 8 mil para R$ 10 mil por mês. A medida beneficia 3.568 profissionais que atuam por meio da iniciativa em cidades do interior e periferias dos grandes centros
O Ministério da Saúde aumentou o valor da bolsa mensal paga aos médicos do Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab), que leva profissionais para atuarem na atenção básica das regiões onde faltam profissionais, como no interior e periferias dos grandes centros. O valor passará dos atuais R$ 8 mil mensais para R$ 10 mil. O reajuste começa a valer a partir de setembro.
“Esse é mais um estímulo para que os médicos continuem neste programa, que garante a formação com acompanhamento da universidade e que levou quase 4 mil profissionais para municípios do interior e periferias das grandes cidades. O Provab, como parte do Mais Médicos, já é o maior programa de interiorização desses profissionais que o país já teve. Queremos manter essa iniciativa, para melhorar a formação dos médicos com sua atuação mais perto da população e fazer com que o atendimento no interior e periferias seja de maior qualidade”, destaca o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
Atualmente, há 3.568 médicos atuando pelo Provab, sob supervisão de universidades e hospitais de ensino em 1.260 municípios. Além da bolsa mensal, outro benefício do programa é a pontuação adicional de 10% nos exames de residência médica, caso o profissional cumpra todos os requisitos, a carga horária do programa e seja aprovado na avaliação final. Com o reajuste, o investimento mensal no programa passa de R$ 30,7 milhões para R$ 38 milhões.
Nesta semana, o Governo Federal anunciou o Programa Mais Médicos, um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), com objetivo de acelerar os investimentos em infraestrutura nos hospitais e unidades de saúde e ampliar o número de médicos nas regiões carentes do país, como os municípios do interior e as periferias das grandes cidades. A iniciativa prevê a expansão do número de vagas de medicina e de residência, o aprimoramento da formação médica no Brasil e a contratação imediata de médicos com foco nos municípios de maior vulnerabilidade social e Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI).


O Provab iniciou com 4.392 médicos. Atualmente, o programa conta com 3.568 médicos distribuídos pelo país. São 2.092 profissionais em 618 municípios da região Nordeste; 780 médicos em 321 municípios do Sudeste; 303 profissionais em 150 municípios do Sul; 212 médicos em 84 municípios e 2 DSEIs no Centro-Oeste; e 181 em 80 municípios e 2 DSEIs na região Norte.
Os participantes do programa participam de curso de especialização na atenção básica ofertado por instituições federais de ensino. As atividades práticas realizadas nas unidades de saúde da família são supervisionadas por médicos especialistas remunerados com bolsa federal no valor de R$ 4 mil. Para receber a bolsa e a pontuação adicional de 10% nos exames de residência, os profissionais cumprem 32 horas semanais de atividades práticas nas unidades básicas e 8 horas de atividades acadêmicas a distância.
Os médicos participantes têm acesso às ferramentas do Telessaúde Brasil Redes, programa do Ministério da Saúde que promove a orientação dos profissionais da Atenção Básica, por meio de teleconsultorias com núcleos especializados localizados em instituições formadoras e órgãos de gestão.
Outra ferramenta disponível é o Portal Saúde Baseada em Evidências, plataforma que disponibiliza gratuitamente um banco de dados composto por documentos científicos, publicações sistematicamente revisadas e outras ferramentas (como calculadoras médicas e de análise estatística) que auxiliam a tomada de decisão no diagnóstico, tratamento e gestão.

Além do investimento na formação de médicos e em medidas para levar médicos para as regiões carentes desses profissionais, o Ministério da Saúde está investindo R$ 15 bilhões para melhorar as condições físicas das unidades de saúde. Já estão em execução R$ 7,4 bilhões, distribuídos para equipar, reformar, ampliar e construir mais de 16 mil UBS, 818 hospitais e 877 UPAs. E R$ 7,5 bilhões são recursos novos – R$ 5,5 bilhões para construção de seis mil unidades básicas de saúde (UBS), reforma e ampliação de 11,8 mil UBS e para construção de 225 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), além de R$ 2 bilhões para a construção de 14 hospitais universitários.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Revalida 2013

Governo vai aplicar Revalida para estudantes de Medicina do Brasil

O Ministério da Educação (MEC) vai aplicar o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas (Revalida), feito hoje por médicos formados no exterior que queiram exercer a profissão no Brasil, para estudantes do último ano de medicina de instituições de ensino do País. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), o objetivo é avaliar se a prova está adequada às diretrizes curriculares dos cursos.
Enquanto entidades médicas defendem a aplicação do Revalida para todos os médicos formados no exterior, os candidatos que fazem a prova reclamam do nível de exigência, que não estaria de acordo com o que é cobrado para um profissional recém-formado. Na edição de 2012, dos 884 candidatos inscritos, apenas 77 foram aprovados. Segundo dados do Inep, o percentual de aprovação - de 8,71% - é inferior ao verificado na primeira edição do exame, em 2011, quando 9,6% dos candidatos conseguiram a revalidação. 
A assessoria do Inep informou que a prova será aplicada para uma amostra de estudantes no segundo semestre deste ano. As regras sobre quem fará o exame serão divulgadas em um edital, que ainda não tem data prevista para ser publicado. O órgão disse que o objetivo é apenas avaliar a qualidade do exame, e não de testar a formação dos estudantes. O Inep também garantiu que não há nenhum estudo no sentido de aplicar o Revalida a todos os formandos no Brasil.
O Revalida
Desde a década de 1970, quem se formava em países latinos e caribenhos tinha o diploma automaticamente reconhecido pelo Brasil, que era signatário de um acordo de cooperação acadêmica que valeu até 1999. Contudo, a partir de então a validação passou a ser realizada por universidades públicas, com regras próprias. 
Para padronizar a revalidação, o governo institui em 2010 o Revalida, que passou a ser uma alternativa mais uniforme para o processo. Entretanto, o teste é considerado excessivamente rigoroso. A primeira etapa constitui uma prova objetiva, com questões de múltipla escolha, e a segunda fase é composta de uma prova discursiva sobre a clínica médica. Em 2012, a primeira etapa foi aplicada em outubro, e a segunda, em dezembro.
Segundo o Inep, dos 77 aprovados no ano passado, 20 fizeram a graduação em Cuba, 15 na Bolívia, 14 na Argentina, cinco no Peru e na Espanha, quatro na Venezuela, três na Colômbia e Portugal, dois na Itália e no Paraguai e um na Alemanha, França, Uruguai e Polônia.
Importação de médicos
A aplicação do Revalida causou polêmica recentemente, após o anúncio do governo federal de um plano para trazer médicos do exterior para trabalhar em comunidades com falta de profissionais sem precisar passar pela prova. A ideia do governo - que faz parte do programa Mais Médicos, lançado na segunda-feira - é fazer uma formação desses profissionais durante três semanas em universidades públicas. 
Pela proposta, esses profissionais vão poder trabalhar por um período de até três anos em comunidades do interior e periferias de grandes cidades. Caso queiram atender em clínicas particulares e em outras localidades, precisarão passar pelo Revalida. No entanto, a medida é criticada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), que defende que todos os médicos formados do interior, precisam passar pela prova.