sábado, 25 de fevereiro de 2017

Teacher and student

By Maryellen Weimer, PhD
As a follow-up to last week’s post, here’s a final bit from my rummaging around old favorites in my personal library of teaching and learning resources.

The insights come from Roy Starling’s great piece in which he recounts his experiences of being released from his teaching responsibilities to take a full load of courses with a small group of undergraduates. It radically changed his teaching, as it did Marshall Gregory’s when he enrolled in an undergraduate acting class, and as it did mine when I took a non-major’s chemistry course with 20 first-semester students. Most faculty do not have time to take courses or they’re at institutions without programs that support these experiences. However, even short visits to a colleague’s class and experiencing it as a student (not a peer reviewer) yields insights about teaching and motivates change.
Most teachers start courses pretty much the same way—introduce the content, go over the course requirements, talk about grades, and spell out various policies. Starling was surprised by how confusing, indeed disorienting, he found this. Every course had its own set of details and requirements that students are supposed to immediately understand and follow. He and his fellow classmates (they all took the same four courses) quickly moved from learning to survival mode.

Based on that experience, here are four things Starling resolved to change once he returned to teaching.
  • Use group work on the first day and use it as a way to get students introduced to the content and each other. If teachers want participation in their courses, students must be encouraged to do so starting on the first day. The introduction of course content is important because then students “are more likely to leave this first class pondering ideas than dreading assignments.” (Starling, p. 4)
  • Spend more time talking about the rationale behind assignments. Too often the emphasis is on clarifying what students are supposed to do, rather than why they are being asked to do it. Starling notes that without understanding the rationale behind assignments, his classmates ended up considering most of their assignments pointless busy work. If that’s how students orient toward assignments, it certainly dampens their motivation to devote the time and energy needed to do good work.
  • “I will assign no superfluous material.” (Starling, p. 4) As a nurse educator said to me recently, “I’ve come to accept that there is content my students need to know and content that is nice to know. They’ll get to the nice-to-know stuff when it becomes a need to know, given what they end up doing.” Gregory (2005) makes the point this way, “Teachers who love specific kinds of content often misrepresent the kind of usefulness that content will have for most of their students. Mostly, students do not get educated because they study our beloved content. They get educated because they learn how to study our beloved content, and they carry the how of that learning with them in the world as cognitive and intellectual skills that stick long after the content is forgotten.” (p. 97) There are external expectations about what needs to be covered in a course and those cannot be ignored, but what made chemistry difficult for me was not the content per se, but how much of it there was and how fast it came.
  • “Knowing now that student gripes are often legitimate, I will complain less about complaining students. … I will now be more sympathetic, more flexible, preferring to be taken in by several students than to push one over the edge.” (Starling, p. 4)
One of the best parts of the Starling article is a collection of excerpts written before, during, and after the first exam. “The pre-exam tension headache and nervous stomach of yesteryear showed up like unexpected in-laws. I try to ease out of my role and make the exam not matter. . . . Doesn’t help, the exam still matters. I study too late then dream that exam day is here and I haven’t studied at all.” (p. 5) I remember confidently telling my chemistry classmates that we were so well prepared for the first quiz, a lot of us were going to ace it. That’s what I believed, but my 6/10 score was the average.
Two take-aways: I would almost guarantee that if you struggle to learn something in a course other than your own, it will change how you teach; and 20 years at the front of the room (maybe less) erases virtually all memories of what it’s like to be seated in a small, uncomfortable desk somewhere in the middle of the room.

Starling, R., (1987). Professor as student: The view from the other side. College Teaching, 35 (1), 3-7.
Gregory, M., (2005). Turning water into wine: Giving remote texts full flavor for the audience of Friends. College Teaching, 53 (3), 95-98.
Gregory, M., (2006). From Shakespeare on the page to Shakespeare on the stage: What I learned about teaching in acting class. Pedagogy, 6 (2),309-325.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Pediatria na Folia

Paulo Pupim

Além da revitalização, hospital promoverá, nesta quinta-feira (23), diversas atividades de interação com as crianças internadas

Com a revitalização do corredor materno infantil, será aberto oficialmente, amanhã (23), às 12 horas, no Hospital Universitário Regional de Maringá, o evento de extensão "Pediatria na Folia 2017".

Após a abertura, com a presença do superintendente do HU, Maurício Chaves Junior, e diretores do hospital, haverá a apresentação do "Bloco Folia na Pediatria". O bloco será integrado por crianças internadas na pediatria do hospital, totalmente caracterizadas para festa, com a supervisão pedagógica do Sareh (Serviço de Atendimento à Rede de Escolarização Hospitalar). As pinturas faciais ficará a cargo de Maria Cristina Vieira, integrante do projeto Pedagogia Hospitalar.

As atividades do evento incluem, ainda, a apresentação dos "Médicos da Graça, às 12h45, no corredor materno infantil e solário; a apresentação dos cães "Anjos de Patas", às 14 horas, no solário; a palestra "A importância da amamentação e doação do leite humano", às 15 horas, na Brinquedoteca; e as atividades do "Hospital do Ursinho", às 17 horas, no solário.

O "Hospital do Ursinho" é uma organização estudantil com atuação no mundo inteiro, inclusive em Maringá, reunindo estudantes do curso de medicina. Eles envolvem as crianças internadas na pediatria do hospital, que, utilizando um ursinho de brinquedo, simulam o atendimento a um paciente.

O "Pediatria na Folia 2017" é um evento destinado a pacientes e familiares, das enfermarias dos setores de pediatria e ginecologia e obstetrícia. Outras informações podem ser obtidas com a enfermeira Raquel Henriques e o médico Edson Roberto Arpini Miguel, organizadores do evento, pelo telefone (44) 3011-9107.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017


What is telenursing?


Telenursing can be defined as “the use of telecommunications and information technology in the provision of nursing services whenever a large physical distance exists between patient and nurse, or between any number of nurses. As a field, it is part of telehealth, and has many points of contacts with other medical and non-medical applications, such as telediagnosis, teleconsultation, telemonitoring, telemedicine etc.”. (Ref: Wikipedia).

It may be considered that telenursing is a branch of the more general Nursing Informatics, i.e., the application of Information and Communication Technologies (ICT) to nursing scopes and activities.
Telenursing is enjoying a fast growth in many countries, particularly in the USA, where the role of nurses in delivering primary care faces less regulatory hurdles than in other countries and is cheaper than physician-led care. The job boards of American Telemedicine Association and other specialized sites are full of job offers for attending telenurses, RN (registered nurses) coordinators for telemedicine programs, etc. Telenursing is already a hot area for professional development for nurses and there are certification programs in the USA. It may involve clinical care as well as administrative and operational roles.
The cost/benefit factor has been an important drive for the worldwide adoption of telenursing. In the United States, almost 46% of the on-site nursing visits could reasonably be replaced by telenursing. Compared to the traditional homevisits, agency costs could be cut in half. According to a 1999 study by authors Britton et al., “telenursing is cost effective in reducing the requirement for, or the length of, hospital stays; in increasing access to services to widely dispersed populations; and in expanding high-quality home care services (…) The result is a decrease in total health care costs and increased access to health care with more appropriate use of resources”.
Besides, telenursing has been important, relevant and meaningful when provided to dispersed, distant or isolated populations, to rural areas, during climatic catastrophes and disaster areas, in military situations, for imobilized patients, etc.
There are several application areas for telenursing:
  • Triage and counseling of patients by medical call centers
  • Telediagnostics (not only basic tele-ECG, but more advanced nursing diagnostics, as well)
  • Nursing teleconsultation, both before and after admission to a hospital)
  • Support to home care
  • Monitoring in risk pregnancies, home-bound seniors, the physically disadvantaged, etc.
  • Suport to nursing second opinion services
  • Case management, personal health tutoring and follow-up of chronic and post-acute patients
  • Emergency nursing, paramedic rescue
  • Remote intensive care monitoring (e-ICU)
  • Tele-rehabilitation
  • Tele-education and training for nurses
  • Tele-education for patients, particularly for informed consent
  • Healthcare plans audits
  • Support to nursing research
Telenursing uses most of the telemedicine ICTs, such as on-line electronic health records (EHR), PoR (Patient Owned Records, such as self-monitoring, Personal Health Records), text-, audio- and videoconferencing, support websites and portals, especialized home-based devices for home care, portable medical-grade devices for ECG, satO2/CO2, respirometry, remote patient monitoring, and so on.
  1. Telenursing. In: Nursing Matters Fact Sheet. International Council of Nurses (PDF).
  2. Telenursing. In: ISFTeH: International Society for Telemedicine and e-Health.


Neurociência coloca em xeque a aula tradicional

Para o professor Alexandre Rezende, doutor em morfofisiologia do sistema nervoso, conhecer o funcionamento do cérebro ajuda a criar melhores estratégias na sala de aula

Marina Lopes

Qual é a diferença entre assistir à televisão e acompanhar uma aula expositiva? Há quem diga que a segunda opção exige maior concentração, mas a verdade é que elas são praticamente iguais para o cérebro e ambas registram baixa atividade neural. Descobertas como essa trazem apenas mais indícios de que, pela neurociência, a aula tradicional já está com os seus dias contados.

Para o professor Alexandre Rezende, doutor em morfofisiologia do sistema nervoso pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), a neurociência aplicada à educação ajuda a identificar problemas que afetam a atenção ou o aprendizado de maneira geral. Se um educador sabe que um ambiente escuro aumenta os níveis de melatonina do organismo –hormônio do sono responsável por regular o relógio biológico, ele jamais vai apagar toda a luz da sala para dar uma longa aula com apresentação de slides. “A neurociência pode ser bastante eficiente no sentido de mudar as estratégias educacionais”, defende.

Desde 2010, quando começou a se aproximar da neuroeducação, Rezende conta que enxergou neste campo a possibilidade de criar estratégias que atingem os alunos com mais eficiência. “É justamente fazer o professor olhar para o aluno e não imaginar um ser inerte e passivo para receber informações”, pontua. Quando um professor entende isso, ele começa a rever uma série de ações recorrentes no ambiente escolar. “Alguns trabalhos mostram claramente a falta de atenção dos alunos durante uma aula padrão”, comenta.

A neurociência mostra que, ao se emocionar, um aluno ou qualquer outra pessoa tem uma capacidade maior 
de gravar as informações

Apesar de não existir uma receita pronta para transformar as práticas na sala de aula, o professor e doutor em morfofisiologia do sistema nervoso diz que estratégias simples já podem fazer diferença. “A neurociência mostra que, ao se emocionar, um aluno ou qualquer outra pessoa tem uma capacidade maior de gravar as informações. Dentro da sala de aula, é potente criar estratégias que geram emoção”, avalia.

As práticas motivacionais também podem trazer bons resultados para a aprendizagem, principalmente em um momento de grandes discussões sobre como atrair a atenção da nova geração. “Os alunos já não tem muita motivação. Nós, professores, temos que assumir essa responsabilidade e trabalhar para fazer algo diferente em sala de aula”, reflete Rezende.

E o diferente, mencionado por ele, pode estar associado a tendências educacionais diversas, que vão desde o uso de tecnologia até as atividades práticas de educação mão na massa. “As estratégias são diversas e cada professor pode criar algo”, encoraja, ao mesmo tempo em que demonstra a importância de fazer o aluno perceber porque determinada atividade é importante.

Mas como começar a colocar as mudanças em prática? O doutor em morfofisiologia do sistema nervoso afirma que não adianta apenas consumir informações e partir em busca de receitas. “É preciso ter curiosidade e vontade de criar uma nova estratégia”, aponta. Apesar desse campo de conhecimento não estar presente em grande parte dos cursos de formação inicial de professores, ele menciona que os professores podem buscar cursos de especialização ou até mesmo referências sobre o assunto.

Leituras sugeridas:

1. LENT, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. 1ª Ed. Atheneu. São Paulo, SP, 2001.
2. CONSENZA, R.; GUERRA, B.G. Neurociência e Educação: como o cérebro aprende. 1ª ed. Artmed. Porto Alegre, 2011.
3. PIAZZI, P. Ensinando Inteligência: manual de instruções do cérebro de seu aluno. Coleção Neuropedagogia, Volume 3, 1ª ed. Aleph LTDA. São Paulo, 2009.
4. METRING, R. Neuropsicologia e Aprendizagem: fundamentos necessários para planejamento do ensino. 1ª ed. Wak Editora. Rio de Janeiro, 2011.
5. PIAZZI, P. Aprendendo Inteligência: manual de instruções do cérebro para alunos em geral. Coleção Neuropedagogia, Volume 1, 1ª ed. Aleph LTDA. São Paulo, 2009.
6. PIAZZI, P. Estimulando Inteligência: manual de instruções do cérebro de seu filho. Coleção Neuropedagogia, Volume 2, 1ª ed. Aleph LTDA. São Paulo, 2009.
7. RELVAS, M.P. Neurociência e Transtornos de Aprendizagem: As múltiplas eficiências para uma educação inclusiva. 5ª ed. Wak Editora. Rio de Janeiro, 2011.
8. SILVA, A. B. B. Mentes Inquietas: TDAH: desatenção, hiperatividade e impulsividade. Ed. Revista e Ampliada. Fontanar. Rio de Janeiro, 2011.
9. SILVA, A. B. B. Mentes e Manias: TOC: Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Ed. Revista e Ampliada. Fontanar. Rio de Janeiro, 2011.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Espaço para a Saúde



            O Instituto de Estudos em Saúde Coletiva/INESCO e a Secretaria de Saúde do Paraná/SESA, por meio da Escola deSaúde Pública – Centro Formador de Recursos Humanos (ESPP-CFRH) convidam gestores e profissionais de saúde, professores, pesquisadores e alunos dos cursos (graduação e pós-graduação) da área da saúde, trabalhadores e usuários do SUS que contribuem para o desenvolvimento das políticas, programas e ações de saúde e de educação, a participarem do Volume 18, No 1, da REpS-SP,  que será publicado em julho de 2017.
            A RevistaEspaço para a Saúde (REpS) existe há 28 anos, tendo sido criada por ex-dirigentes da SESA e por professores universitários em 1989. Nos últimos três anos passou a contar com o apoio da Secretaria e, a partir de 2016 passou a ser uma co-edição do INESCO e da SESA, assumindo a condição de ser “a revista de saúde pública” do estado (REpS-SP).
            O escopo da revista, recentemente atualizado, é divulgar estudos, pesquisas e reflexões que contribuam para o debate, a produção e a disseminação de conhecimentos nos campos da saúde coletiva e da saúde pública, inclusive nas áreas de ensino, de gestão do trabalho e da educação continuada e permanente na saúde.
            A revista divulga artigos originais, produtos de pesquisas empíricas, de revisões, atualizações e relatos de experiência. A partir de 2018 passará a contar com uma seção de “Cartas ao Editor”, Resenhas de Teses ou Dissertações e outra para“Notas & Informações” sobre acontecimentos da área. Orientações sobre o preparo e o envio dos manuscritos, processo de julgamento pelo corpo editorial e outros detalhes estão disponíveis nas páginas precedentes e no http://www.inesco.org.br/revista.asp, ícone “autores”.
            A submissão para esta chamada estará aberta no período de 1 a 31 de março de 2017, no endereço http://www.inesco.org.br/revista.asp, ícone “autores” e ao final, botão de “submissão”.
            Participe! Vamos fortalecer a saúde também por meio da produção científica, da inovação e do desenvolvimento tecnológico. Esses processos já acontecem, mas podem e precisam ser dinamizados e mais compartilhados entre agentes e instituições do meio universitário, do sistema e dos serviços de saúde e dos movimentos sociais que atuam na área.

            Londrina, 10 de dezembro de 2016.
            João José Batista de Campos       
            Presidente do INESCO e do Conselho Editorial

            Ana Lucia Fonseca
            Diretora da ESPP-CFRH/SESA

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Electronic Health Record


Em 60 dias, mais 2,4 milhões de brasileiros passaram a ser atendidos com prontuário eletrônico, cobrindo 28,5% da população. Com essa ampliação, o país passou a contar com 11.112 Unidades Básicas de Saúde (UBS) com o sistema informatizado, em 2.060 municípios. A medida do Ministério da Saúde visa dar maior agilidade no atendimento ao cidadão e melhor eficiência na gestão dos gastos públicos em saúde. No prazo de acesso ao sistema, que finalizou no dia 10 de dezembro, 5.114 municípios acessaram o e-SUS AB e 456 não justificaram. Para esses últimos, a pasta fará busca ativa com o objetivo de dar apoio na implantação do sistema.
Os municípios que ainda não justificaram têm mais dois meses para acessar o sistema e apresentar justificativa, evitando o corte de recursos. “O objetivo do Ministério da Saúde não é punir os municípios, mas sim obter e qualificar as informações para planejar da melhor forma as ações e os gastos da Saúde. Vamos apoiar os municípios com toda a infraestrutura necessária para a transmissão online dos dados, com computadores, conectividade e qualificação de pessoal”, afirmou o ministro da Saúde, Ricardo Barros, durante apresentação de balanço do Prontuário Eletrônico, nesta quarta-feira (14) em Brasília. Ainda de acordo com o ministro, a expectativa é que, no máximo, até maio de 2017, a grande maioria das unidades esteja conectada ao e-SUS AB.

O Ministério da Saúde está preparado para apoiar os municípios que estão com dificuldades na implantação do prontuário eletrônico. As necessidades reportadas por cada gestor serão analisadas pela pasta, que dará toda infraestrutura e treinamento para os municípios se integrarem. Desta forma, está previsto, para o próximo ano, um investimento de R$371 milhões para instalações de computadores e impressoras nas unidades básicas de saúde de todo o país, mais R$44 milhões/ano para o custeio de banda larga, além da capitação de cerca de 350 mil profissionais de informática.
Para o presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Mauro Junqueira, os investimentos a serem feitos pelo Ministério da Saúde irão facilitar que os municípios se adequem à informatização dos sistemas. “Já há conhecimento sobre a implantação e funcionalidades do sistema, o que agiliza a expansão da cobertura. Embora muitos municípios estejam em momento de transição de gestão, é possível chegar rapidamente a 100% deles com informatização das UBS. O sistema ainda está aberto para os municípios justificarem”, ressaltou Mauro Junqueira, que informou que, até o momento, apenas 151 municípios ainda não informaram sua situação à pasta.
Ao longo dos 60 dias, o sistema e-SUS AB registrou que 140 municípios implantaram o prontuário eletrônico ofertado gratuitamente pelo Ministério da Saúde ou solução própria, e 978 Unidades Básicas de Saúde (UBS) passaram a enviar informações online. No mesmo período, 2.060 (37%) municípios informaram que estão com prontuário eletrônico implantado nas UBS; 3.054 (54,8%) justificaram para todas as unidades; e 456 (8,2%) municípios não justificaram.
As justificativas registradas pelos municípios para não implantação do prontuário eletrônico foram: 84,9% (21.205 UBS) - insuficiência de equipamentos; 73,9% (18.493) - conectividade; 75% (18.750) - baixa qualificação no uso do PE; e 67,9% (16.989) - falta de apoio de Tecnologia da Informática. As cidades que não justificaram deverão ter suspensos os recursos destinados ao custeio dos atendimentos na Atenção Básica (PAB Variável), já que não implantaram o prontuário dentro do prazo, nem apresentaram justificativa dos motivos pelos quais não conseguiram implantar o prontuário. No entanto, os gestores que tiverem os recursos interrompidos poderão solicitar o pagamento retroativo até dois meses após a suspensão dos recursos.
Em todo o país, 11.112 UBS em 2.060 municípios utilizam o sistema eletrônico para transmissão de dados, alcançando uma cobertura de 57,5% da população brasileira. Apenas neste ano, 105,5 milhões de procedimentos foram registradospor meio do prontuário eletrônico, como visitas domiciliares (232,9 milhões), consultas médicas (72,5 milhões), odontológicas (48,9), entre outros procedimentos ambulatoriais.
PRONTUÁRIO ELETRÔNICO DO CIDADÃO – O Prontuário Eletrônico do Cidadão (PEC) é ofertado gratuitamente pelo Ministério da Saúde, e reúne o histórico, os dados, procedimentos realizados e os resultados de exames dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), atendidos na Atenção Básica. O prontuário também permite a verificação, em tempo real, da disponibilidade de medicamentos ou mesmo o registro das visitas de agentes de saúde, melhorando o atendimento ao cidadão.
A transmissão 100% digital dos dados da rede municipal à base nacional possibilita, ainda, que o Ministério da Saúde confira online como está sendo investido cada real do SUS, na saúde do brasileiro. Os municípios também podem utilizar versões próprias ou privadas.
A informatização dos sistemas de saúde é uma das prioridades da gestão do Ministério da Saúde. O objetivo é integrar o controle das ações, promover a correta aplicação dos recursos públicos, obter dados para o planejamento do setor e, principalmente, propiciar a ampliação do acesso e da qualidade da assistência prestada à população, tornando o atendimento mais eficiente. A medida ajudará também a reduzir custos, evitando, por exemplo, a duplicidade de exames medicamentos.