domingo, 17 de setembro de 2017

Publicações Científicas



Curso de Escrita e Publicação de Artigos Científicos

A Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) disponibliza em seu site um ótimo material do Curso de Escrita e Publicação de Artigos Científicos, desenvolvido por Fabiane Braga, Maria Betânia Lambert, Sheila Vianna, Lílian Bueno e Diogo Pereira.






Clique aqui para acessar o .pdf do curso.


Learning to teach


How to Make our Conversations about Teaching More Productive



Professors chatting in library.

Where do your new ideas about teaching and learning come from? Perhaps some come from Faculty Focus and this blog? We certainly hope so! But most college teachers don’t get instructional ideas from the literature. They get them from other teachers, usually in face-to-face or electronic exchanges. Interesting, isn’t it, how much pedagogical information is passed on and around in these very informal ways.



If we’re learning to teach and growing instructionally through conversations with each other, that makes it appropriate to ask: What are we learning from each other? Techniques? Good strategies? Solutions to problems? Shortcuts and quick fixes? Is that all we could be learning from these conversations? Asked a different way, what would make these conversations better? What could help them promote, motivate, and sustain our growth as teachers?

Over the years, I’ve tended to be pretty critical of how we talk about teaching. Here’s a quick rundown of what I think compromises the quality of those conversations:

  • They’re often too ad hoc. They occur without planning. Two faculty members meet at the departmental coffee pot and start talking about excused and unexcused absences. They haven’t prepared for the conversation. They share what they think and advocate for the way they handle the issue.
  • The talk focuses on anecdotes and experiences. Like students who come to class not having done the reading, conversations about teaching are about what’s going on in our individual teaching worlds: “Guess what happened in my classroom and here’s what I did about it.” Granted, there’s wisdom that derives from practice and others can learn from it, but that’s not an automatic outcome and it shouldn’t be what we usually talk about.
  • The quality of pedagogical opinions is uneven. All teachers have opinions and all opinions merit a respectful listen, but not all opinions are good, correct, appropriate, or universally applicable. Moreover, many pedagogical opinions are presented with more conviction than evidence.

Here are some changes that I believe would make our teaching conversations better and more productive: 

  • Questions should play a central role in our conversations about teaching. We should bring more questions than answers to the conversations. They may be the questions we are asking ourselves, the ones we can’t answer, or the questions for which we’d love to have a collection of potential answers. Questions drive learning! They make us look at what we know and uncover what we don’t know. They cause us to seek out what others know and lead us to the next (and often) better questions. Our conversations would improve if we asked more and answered less.
  • Our conversations need to move beyond techniques. In the beginning, the what-to-do and how-to-do-it focus is essential, and teachers should always be on the lookout for good techniques. But by mid-career, it’s time to explore why—why are we using that policy, why does that activity work in some courses but not others, why won’t students accept the responsibility for learning, why doesn’t our feedback make the next paper better. Our conversations need substance—stuff we can think about, chew on, view from multiple perspectives, and then dig a bit deeper.
  • Good talk about teaching stretches out from experience to evidence. At this point, there’s not much new under the pedagogical sun. Somebody else has already thought about it and often been there gathering evidence. In the dynamic milieu of the classroom, few things are known definitively, but something is known about most things. There needs to be a commitment to find out and learn in conversations.
  • Arriving at a discussion prepared improves the quality of the exchange. Ideas need to have been thought about and questions framed. A good article, read beforehand, can give the discussion both structure and content. What makes a good article for discussion? It raises more questions than it answers. It presents a position that can be seen from different perspectives. It challenges conventional thinking. It doesn’t even need to be an article–a pithy quotation can take thinking to new and different places. This blog regularly highlights articles that have made me think. In Faculty Focus Premium, we are launching a new feature where we identify a good article for discussion and provide a set of questions readers can use to launch a productive exchange with colleagues or for personal reflections. Preview Reflections on Learning: Giving Students Assignments They Hate »
  • And the most fundamental tenet for good conversations about teaching: let the discourse be civil, agree to disagree, work to convince each other, debate, argue, but always grant others the freedom to decide for themselves.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Gerontologia



II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GERONTOLOGIA
V SIMPÓSIO MARINGAENSE DE GERONTOLOGIA
III SIMPÓSIO PARANAENSE DE GERONTOLOGIA, 

 
Será realizado nos dias 04,05 e 06 de outubro de 2017 em Maringá-PR na Universidade Estadual de Maringá, campus sede.
 
 
 

Informações importantes...

PRAZOS
30/09 - Inscrição no evento
15/09 - Inscrição de trabalhos (PRORROGADO)

VALORES
Alunos da UNATI, graduação e pós-graduação - R$ 100,00 
Profissionais e docentes - R$ 150,00

SUBMISSÃO DE TRABALHOS
- Serão aceitas submissões de trabalhos científicos que tenham foco no envelhecimento e que tratem de resultados parciais ou finais de pesquisas científicas ou relatos de experiências. Não serão aceitos trabalhos originados de projetos não iniciados;
- Será aceito apenas um trabalho, por Relator e não há limite para trabalhos em coautoria. Serão permitidos, no máximo 06 (seis) autores por trabalho.
- O relator, obrigatoriamente, deve realizar sua inscrição no evento.
- O trabalho científico deverá ser redigido no formato de resumo expandido, contendo de 3 a 5 laudas Sessões: resumo, palavras-chave, introdução, objetivo, materiais e métodos, resultados e discussão, e considerações finais.
- Os trabalhos devem ser enviados para o e-mail simposiogeronto@gmail.com. Junto ao envio do trabalho encaminhar, em arquivo separado, uma cópia digitalizada do comprovante de pagamento da inscrição.
- As apresentações de trabalhos serão certificadas e os trabalhos publicados nos anais do evento.
- Em caso de dúvidas entre em contato pelo e-mail simposiogeronto@gmail.com.

Informações no site: http://www.unati.uem.br/index.php/11-noticias/39-ii-simposio-internacional-de-gerontologia

Gostaríamos imensamente de contar com sua presença para engrandecer este encontro! 
Quaisquer dúvidas estaremos à disposição para lhe ajudar.
Atenciosamente,

A Comissão Organizadora.
 
 
 
 

domingo, 10 de setembro de 2017

Faculty inertia

 

‘Fear of Looking Stupid’


Anthropologist offers explanation for why faculty members hesitate to adopt innovative teaching methods.


An anthropologist who had the unenviable task of sitting through academics’ meetings and reading their email chains to find out why they fail to change their teaching styles has come to a surprising conclusion: they are simply too afraid of looking stupid in front of their students to try something new.

Lauren Herckis was brought in to Carnegie Mellon University to understand why, despite producing leading research into how students learn best, the institution had largely failed to adopt its own findings.

For example, one of the university’s online courses in statistics, which has been shown to be “incredibly effective at teaching students in half the time,” was not adapted by the statistics department for use on campus, said Richard Scheines, dean of the department of humanities and social sciences. “This is a source of real frustration,” he told the Global Learning Council Summit 2017 in Berlin last month.

Herckis observed academic bureaucracy up close in meetings and through emails for more than a year, and tested lecturers’ attitudes through surveys and interviews.

She followed the progress of four projects to improve teaching -- such as the introduction of a test to assess students’ strengths and weaknesses before starting their courses -- two of which failed.

One of the stumbling blocks, she found, was that ”a desire to get good [student] evaluations posed a risk to their willingness to innovate.”

But an even stronger source of inertia was the need to hang on to their “personal identity affirmation” -- in other words, to avoid appearing stupid in the lecture hall. One academic interviewed by Herckis said that faculty members’ “No. 1 challenge” was to make sure that they were “not an embarrassment to [themselves] in front of … students.”

Herckis also found that many academics clung to a “very strong” idea of what constituted good teaching that they had often inherited from their former professors or even parents, even if other evidence was available. One interviewee told her that, above all, he wanted to emulate an inspiring lecturer he had been taught by in 1975.

“When our gut tells us to do one thing and an article tells us another,” Herckis told delegates, it is very difficult to change behavior. Another issue was that faculty were much more likely to be more enthusiastic about making a change that they had come up with by themselves, rather than adopting something tried and tested by others.

With universities in many countries under pressure to improve their teaching quality, the project could be of interest to other institutions seeking to overturn ineffective teaching methods. Scheines argued that higher education needs to invest far more in similar anthropological projects to work out how change actually happens. “We need ears and eyes telling us what’s happening on the adoption,” he said.

About 20 years ago, clinical medicine created an entire field of “implementation science” to check whether doctors were adopting best practices, and higher education now needs to do the same, he argued.

In line with the project results, Carnegie Mellon lecturers would be showered with “love” and told not to “worry if students hate you for a semester” if they experimented with new ways of teaching, he said.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Ensino Superior




NOTA À SOCIEDADE


A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), preocupada com o cumprimento das missões de ensino, pesquisa e extensão das universidades públicas federais, gratuitas e com a qualidade que a sociedade brasileira e o desenvolvimento sustentável do país requerem, diante da conjuntura de cortes e contingenciamento de seus orçamentos, vem alertar a sociedade sobre os seguintes problemas atualmente enfrentados:

– Perdas orçamentárias em 2017: O orçamento de 2017 já representou corte significativo em relação ao de 2016 (6,74% nominal na matriz de custeio, 10% no programa de expansão Reuni, 40,1% em capital, 3,15% do Programa Nacional de Assistência Estudantil e mais 6,28% de inflação no período);

– Limite orçamentário de 2017: até o momento foram liberados apenas 75% do orçamento de custeio e 45% do orçamento de capital. Para manter o funcionamento mínimo das instituições é indispensável a liberação de 100% de ambos os limites, uma vez que já estamos absorvendo fortes perdas orçamentárias como indicado acima;

– Orçamento de custeio para 2018: O orçamento para 2018 mantém os valores da matriz de 2017, reduz o Reuni em aproximadamente 11% e não recompõe a inflação do período, além de desconsiderar a expansão do sistema.
 
– Orçamento de investimento para 2018: O MEC não disponibilizou os valores de limite orçamentário de investimento, sobretudo na Ação 8282. Essa situação alarmante permanece ainda hoje, o que pode sinalizar a inexistência de orçamento de investimento na PLOA 2018 das IFES, fato gravíssimo que afetará, por exemplo, a aquisição de livros, equipamentos de laboratórios, softwares e a continuidade das obras em andamento já contratadas;

– Liberação de Financeiro: A situação financeira, com dois repasses ao longo de cada mês, inferiores a 60% da despesa liquidada, traz ônus de grande magnitude às instituições, levando à perda de confiabilidade por parte de nossos credores, ao pagamento de multas e juros, além de obrigar as instituições a selecionar quais despesas pagar, fato inaceitável;

– Recursos próprios: Impossibilidade de suplementação orçamentária na Arrecadação Própria e Convênios, ocasionando perdas significativas para as instituições.

– PNE na LDO: A prioridade para as metas do Plano Nacional de Educação foi retirada da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018, por meio de veto presidencial e em nome do ajuste fiscal, fragilizando ainda mais o compromisso do Governo Federal com a educação.

– Defasagem do Aluno Equivalente: O relevante crescimento das Universidades Federais não foi correspondido por orçamento compatível (hoje o valor em reais por Aluno Equivalente é 42% menor do que em 2011), colocando em risco as atividades, contratos e nossa função social e científica na sociedade brasileira. No mesmo período, o programa de subsídio às Instituições Privadas de Ensino Superior por meio do FIES passou de 2,1 para 21 bilhões de reais, contrariando a Meta 12 do PNE, que prevê ampliação das vagas públicas dos atuais 25% para no mínimo 40% do total de matrículas.

Face a esse conjunto de informações, o Conselho Pleno da ANDIFES conclama a sociedade a cobrar do Governo Federal ações emergenciais visando o reequilíbrio orçamentário e financeiro das universidades públicas federais e a recomposição de seus orçamentos no Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2018. Os problemas orçamentários e financeiros vivenciados são agravados, ainda, pela existência da Emenda Constitucional 95 e podem significar não apenas a perda de recursos de investimentos para 2018, mas pelos próximos 20 anos.

Ressaltamos a importância de afirmar o relevante papel cumprido pelas universidades públicas federais em sua missão social, acadêmica e científica, que, a despeito das adversidades, mantêm-se como referência no país, na América Latina e no mundo. As melhores universidades brasileiras são públicas, aí incluídas as universidades federais, conforme demonstrado nos diversos rankings de avaliação; é nessas universidades que se oferece a melhor formação de profissionais de nível superior, como atestado pelo próprio Ministério da Educação; é nas universidades federais que são titulados mais da metade dos mestres e doutores do país; e é nas universidades federais que se produz parte expressiva da ciência e da inovação que geram riqueza e renda para a sociedade brasileira. Por isso, o que está em risco é o futuro do país, não apenas o pagamento das contas do ano de 2017; por isso, é indispensável defender as condições de funcionamento das universidades públicas federais.


Brasília, 24 de agosto de 2017.
Conselho Pleno da ANDIFES

Ensino nas Ciências da Saúde


Mestrado em Ensino nas Ciências da Saúde






O Ensino na Saúde exige conceitos próprios, processos pedagógicos adequados a sua peculiaridade, metodologias de ensino adaptadas à complexidade das ações em saúde.
Em 2010, a CAPES lançou o Pró-Ensino na Saúde com o objetivo de oportunizar o desenvolvimento de pesquisas na área. A Faculdades Pequeno Príncipe, selecionada em um projeto em Rede que conta também com as Universidades Federal de Santa Catarina (UFSC) e Estadual de Londrina (UEL), criou a linha de pesquisa em Ensino na Saúde. Na mesma época, foi criado e registrado no CNPQ o grupo PENSA (Pesquisa em Educação na Saúde). Com isso, houve um fortalecimento da produção de artigos científicos dessas três instituições.
A extensa procura pela linha de pesquisa e a consistência do grupo de pesquisa PENSA, levaram à criação do Programa que tem por objetivo valorizar a formação do professores e pesquisadores por meio do amplo debate das mudanças e possibilidades nos novos currículos e práticas profissionais na saúde, do modelo de trabalho em rede e do estímulo interpessoal como potencializadores da produção individual e coletiva, levando à condição necessária para consolidação das mudanças na atuação e contribuindo para novos conhecimentos no SUS.
Linhas de Pesquisa:
I: Currículo, processos de ensino-aprendizagem e avaliação na formação em Saúde.
II: Educação Permanente e Integração entre ensino, serviços de saúde e comunidade.
III: Gestão Acadêmica e no Sistema de Saúde.

Informações gerais:
· Área Básica: Multidisciplinar
· Área de Avaliação: Ensino
· Habilitação: Mestrado Acadêmico
· Total de vagas: 30
· Regime de matrícula: Anual
· Duração do curso: 24 meses
· Carga horária total/créditos: 420 h/35 créditos
· Coordenação: Prof.ª Dr.ª Izabel Cristina Meister Martins Coelho



O edital completo do Processo Seletivo pode ser acessado aqui:
EDITAL Nº 015/2017 – SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO CURSO DE MESTRADO ACADÊMICO EM ENSINO NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE PARA INÍCIO EM 2018

terça-feira, 29 de agosto de 2017

domingo, 20 de agosto de 2017

Eventos médicos



Fim do patrocínio médico em eventos: avanço ético na relação entre indústria e profissionais de saúde

Carlos Goulart

 

 

A partir de 1º de janeiro de 2018, as empresas associadas da ABIMED -Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde – ficarão proibidas de patrocinar a participação de profissionais de saúde em eventos promovidos por terceiros. Dessa forma, elas não poderão custear passagens aéreas, inscrição, alimentação ou hospedagem desses profissionais em eventos como congressos e simpósios médicos.

Essa iniciativa acompanha os principais avanços éticos em curso no mundo e está sendo implementada também por entidades internacionais do setor de produtos para saúde, como a MedTech Europe, da qual fazem parte a EUCOMED (Associação Europeia da Indústria de Tecnologia Médica) e a EDMA (Associação Europeia dos Fabricantes em Diagnósticos).

A data de 1º de janeiro de 2018, também adotada pela EUCOMED, foi escolhida pela ABIMED com o propósito de dar tempo ao mercado para se ajustar à mudança de paradigma, para que indústria e representantes dos profissionais de saúde buscassem alternativas de capacitação, afastando o risco de se criar um vácuo de educação médica continuada no país.

Diante desse cenário, já no final de 2014 a ABIMED anunciou a proibição vindoura a seus associados. O próprio Código de Conduta da Associação, revisto naquele ano, passou a incorporar a nova medida. Muitas companhias, inclusive, já abandonaram a prática do patrocínio.

Para as empresas de tecnologia médica, a interação com profissionais de saúde é fundamental e parte do seu cotidiano. Além de participar dos processos de Pesquisa e Desenvolvimento de novos produtos, são eles que utilizam as novas tecnologias.  De sua habilidade, destreza e conhecimento acerca dos equipamentos e dispositivos médicos depende o sucesso das intervenções realizadas nos pacientes.

Por esta razão, é responsabilidade das empresas prover instrução adequada, treinamento e suporte técnico a esses profissionais como meio de assegurar para os pacientes a utilização segura e eficaz desses dispositivos.

Para cumprir essa missão e diante da vigência das novas regras, a partir de 1º de janeiro de 2018 as empresas poderão, a seu critério, dar suporte a congressos científicos, mas o patrocínio poderá ser dirigido apenas às sociedades médicas que os organizam e não mais aos profissionais de saúde.

O financiamento aos organizadores de eventos terá o propósito exclusivamente educacional e será estabelecido em contrato que dê total transparência às atividades desenvolvidas, à destinação dos recursos e valores envolvidos.

Além disso, as empresas poderão continuar a promover suas próprias atividades de educação médica, como já ocorre hoje, por meio de parcerias com universidades, sociedades médicas, web conferência, ou capacitação na própria empresa. Essa interação também continuará sendo regida por contratos claros e transparentes.

Medidas como o fim do patrocínio médico a eventos de terceiros refletem uma inequívoca e bem-vinda evolução no campo da Ética. Hoje, o mundo todo discute a importância de se dar maior transparência às relações entre os players da saúde e busca implementar medidas para prevenir e mitigar conflitos de interesse.

O próprio Código de Conta da ABIMED, – que desde 2006 estabelece um conjunto de princípios para orientar a atuação e relacionamento de suas associadas, já passou por quatro revisões e se prepara para realizar mais uma – é um reflexo das transformações éticas que ocorreram na última década.

Para a ABIMED é importante que práticas que deem transparência cada vez maior à cadeia de produtos para saúde se estendam a todo o mercado, para que possamos promover, de fato, uma mudança cultural na maneira de fazer negócios no país.

*Carlos Alberto P. Goulart é presidente-executivo da ABIMED – Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde

 

Humanização



Ver e ouvir para uma medicina mais humanizada


Acadêmicos do primeiro nível do curso de Medicina participaram de oficinas de sensibilização por meio da imagem

O programa de extensão ComSaúde, vinculado à Faculdade de Medicina (FM) e à Faculdade de Artes e Comunicação da Universidade de Passo Fundo (FAC/UPF), promoveu na tarde dessa quarta-feira, 16 de agosto, uma atividade com os acadêmicos do curso de Medicina nível I. A atividade integrou a disciplina de Saúde Coletiva, ministrada pela professora Carla Gonçalves. Os acadêmicos, divididos em dois grupos, participaram de dois momentos diferentes: uma oficina com o tema “Leitura de imagem e narrativa visual”, com a professora e coordenadora do ComSaúde, Cristiane Barelli, e uma visita guiada à exposição “Olá, cidade”, com a professora Fabiana Beltrami, autora da exposição e também integrante do programa. As atividades aconteceram na Galeria Estação da Arte, no Parque da Gare. 

 Foto: Gelsoli Casagrande

A atividade, de acordo com a professora Cristiane Barelli, faz parte do objetivo da Universidade de promover a curricularização da extensão, ou seja, levar as atividades dos projetos de extensão para dentro dos cursos de graduação, integrando-se com as disciplinas. A ideia de levar essa atividade para a disciplina de Saúde Coletiva foi, ainda segundo ela, com o objetivo de sensibilizar o olhar dos acadêmicos para que eles possam ser preparados para uma comunicação sensível com os pacientes, com as famílias e com as comunidades. “Daqui a alguns dias eles vão fazer diagnósticos de comunidade, vão visitar bairros, conversar com as pessoas, então a gente entendeu que como eles recém chegaram na Universidade e vem de um mundo que às vezes estava meio fechado, focados em passar no vestibular, seria importante abrir esse olhar deles de uma forma mais crítica, mais sensível, mais respeitosa”, explicou a professora. 

Imagem e sensibilização
 
Para promover essa sensibilização, as professoras escolheram a imagem como ferramenta. Para a professora Cristiane, para que a comunicação na saúde seja efetiva, é preciso que tenha elementos de sensibilidade e de escuta ativa e a imagem tem a capacidade de despertar isso nos acadêmicos. “Nós estamos investindo em quem vai ouvir pessoas, mas queremos também que eles trabalhem em se ouvir, porque eles são seres humanos antes de serem médicos. Quanto mais humanos forem, certamente serão médicos mais humanizados. A ideia de trabalhar essa mediação da leitura da imagem é para quebrar essa dureza do cotidiano também. A gente passa todo dia na mesma rua e não observa detalhes e isso vai endurecendo a gente, vai nos distanciando do que é mais importante na vida que é esse cuidar do outro e cuidar de si”, comentou. 

 Foto: Gelsoli Casagrande

Na opinião da professora Fabiana Beltrami, autora da exposição “Olá, cidade!”, que foi patrocinada pelo programa ComSaúde e propõe um olhar sobre a cidade de Passo Fundo em comemoração aos 160 anos do município, a ideia é justamente fazer com que os alunos possam ver os espaços pelos quais circulam, como são constituídos, como as pessoas se relacionam com ele.  “Aqui na exposição eles podem ver um olhar mais aproximado de coisas que não enxergam no seu cotidiano, de tentar ver melhor os detalhes da cidade, de perceber o quanto é importante o cuidado em se ver, em olhar aquilo que está diante deles de uma forma reflexiva, sem julgamentos. Ter essa experiência de que estar na cidade, estar no bairro também é uma vivência, faz parte da nossa saúde”, ressaltou a professora que acredita que como profissionais da medicina, os acadêmicos precisam desse cuidado de se ver. “Quando eu estou na cidade e eu a observo, eu tenho muito mais propriedade em participar dela, em cuidar dela e no caso de um médico, quando ele está tratando uma doença, esse olhar, esse cuidado de aprofundar o que ele vê, o que ele pergunta, o que ele questiona para as pessoas e a fotografia ajuda nisso. Não é à toa que a fotógrafa Dorothea Lange dizia que a fotografia ensina a ver”, finalizou Fabiana.