quarta-feira, 29 de junho de 2016

Student engagement

Six Things Faculty Can Do to Promote Student Engagement

encouraged us to reconsider what student engagement means and entails. Today I’d like to explore just some of the things teachers can do to better promote it. I’m offering six ideas here and encourage you to add to the list. 
Redefine participation. Let it include more than verbal comments. Invite students to contribute electronically—with an email or post on the course website—with a question they didn’t ask in class, a comment they didn’t get to make, or a thought that came to them after class. Remind students that listening is also part of participation! Model and promote good listening skills. “Did you hear what Fredric just said? That’s an explanation that belongs in your notes.” Let the definition of participation honor silence—and give students the time needed to think about a question and assemble an answer. Maybe it’s time to stop grading participation and let students speak because they have something to say.

Teaching Professor Blog Cultivate a teacher presence that invites engagement. It starts with being present. This means not just being there physically but also being mentally attentive to what’s happening every day and in every interaction. An engaging teaching presence is communicated by nonverbal behaviors that convey confidence, comfort, anticipation, and great expectations. The classroom space, whether it’s physical or virtual, is one you share with fellow learners. Move about in it. See who’s in class. Smile, extend a greeting, or comment on the weather or a current event. There are lots of different ways you can show that you are present. Your actions will promote student engagement so long as they’re genuine and authentic and so long as you are engaged—with the content, with the students, and with the learning.

Devote time to talk about learning—what it entails and why it’s important. This is not the same tired old lecture about how this is such a hard course and a certain percentage of students won’t make it through. Yes, there’s tough content to master, but with effort it can be conquered. It’s about your own ongoing love affair with learning. Most students haven’t yet fallen in love with learning. They think they like easy learning, memorizing bits of information they can then forget, or getting by doing the bare minimum. Let yours be the class that introduces students to learning that captivates their attention, arouses their curiosity, stretches their minds, and makes them feel accomplished.

Give students a stake in the process. Teachers make all the decisions about learning for students. They decide what students will learn, how they will learn (taking tests, writing papers, etc.), the pace at which they will learn, and the conditions under which they will learn. Teachers then decide whether students have learned it. Students can be given some control without abrogating responsibilities associated with the teacher. Let students start making small decisions about learning—what topics they want discussed in the exam review session, whether quizzes will count 10% or 20% of their grade, whether the teacher calls on them or they volunteer, whether their final project is a paper or a presentation—and watch what happens to their engagement.

Design authentic assignments and learning experiences. Doing the work of the discipline is more likely to engage students than hearing how the discipline does its work. Try presenting students with a hypothesis and asking them to predict the results or introducing them to the concept of literary criticism and having them critique a reading. Will they do the work of the discipline well? Probably not. They’re novices working with difficult content in front of an expert. But making mistakes is how we learn. Furthermore, doing the work of the discipline feels like work that matters—and that motivates engagement.

Use cumulative quizzes, finals, and exams. If you’re interested in long-term retention of course content and if you want students to transfer and/or apply knowledge, then their exposure to the material needs to be ongoing. Every time they retrieve what they’ve learned, that material becomes easier to remember. Students would rather have unit exams. Three weeks of content is easier to manage than six weeks of content. Teachers can help students prepare for cumulative exams by creating activities that require regular reviews of course material, such as challenging them to find something in their notes or opening class with a short review session—not on the content covered in yesterday’s class but instead on the content covered last week or the week before. Scheduling regular quizzes can also provide low-stakes opportunities for learning and support the intensive study students will require before a high-stakes exam.

segunda-feira, 27 de junho de 2016


Networking for Introverts - 7 Simple Steps

Michael S Solomon  

You’ve heard it before: it’s not what you know, but whom you know. But...you hate networking. That’s ok, a lot of people do. And networking for introverts is even more challenging. According to Susan Cain’s, The Power of Introverts Ted Talk over 50 percent of the U.S. workforce self-identifies as introverts. The good news is that you’re not alone and you can learn how to network in 7 simple steps, no matter how introverted you are. 
Step 1: Find Meetups and Other Networking Events

Before you go wow people with your cocktail party conversation (or lack thereof), you need to have places to go. Most major cities in the US have tech meetups and other networking events. Finding the right ones can seem like a pain, but you’d be surprised what a little Google searching for “Best Tech Meetups in [CITY]” will bring up. 

Most local accelerators and incubators will have pitch sessions, demo days and the like. Here, let me google that for you.

Step 2: Have a Standard Opener

Ok, you’ve made it to the 500 Startups Demo Day (or wherever) and you’re standing there alone thinking...what should I say? Seriously, just remember everyone is there for the same reason: to meet people. Through my work I’ve learned something very important about people. We’re all insecure; some people are just better at hiding it.

So, what should you say? Dale Carnegie the author of “Making Friends and Influencing People” always said that the best way to meet people is to get them talking about their favorite subject: themselves.

That’s right. There’s really no better opener than, “So, what brings you here?”

Want a bonus follow-up that will engender you to them as a “great person” forever. Just say, “Sounds really interesting. What are you looking for today? Perhaps I can help.” Of course, if it doesn’t sound really interesting, you can omit that or try another response to what they said. The last thing our world or you need is more insincerity.

Step 3: Develop your elevator pitch

No matter how many witty jokes and questions you memorize, at some point you’re going to have to talk about yourself. This may seem obvious, but it’s amazing how many people don’t think about how they are going to talk about themselves until someone asks them, and then it’s either 20 seconds of awkward silence or 20 minutes of mindless yammering. 

Here’s a tip: Have a 30 second intro for yourself that you’ve already thought about and perhaps practiced saying out loud. To learn how to create your own elevator pitch check out this article or watch this YouTube playlist on elevator pitch instructions. After your pitch, then pivot back to a question about them. That’s right: Talk about yourself for 30 seconds and then ask them a question, have some well thought-out talking points ready in your head. That’s how you get a conversation going and how you avoid that panicky frozen feeling in your gut.

Step 4: Choose your people

Before the event find a list of attendees and do some online research about them, pick the ones you want to know. If you feel comfortable with it, connect online prior to the event and arrange a quick one-on-one session during a break at the event. This often allows you to have a more substantive conversation since you will know a bit about each other from the start. 

Step 5: Pace yourself and be strategic

Before the event set a realistic quota of how many contacts you’d like to meet. For your first couple of events start out with a small number so you can feel proud of yourself and build on that number. Are you a morning person or more alert in the evening? Schedule your meetups based on the time of day when you’re at your best. Ensure that you allow time to recharge, whether by taking a short walk, a restroom break or checking out the venue. Resist the urge to try and be in constant ‘On’ mode.

Step 6: Collect Business Cards and Write on Them

This may seem very 1995, but business cards are still extremely useful for one thing: collecting and writing details of the conversation on. And it seems more polite than taking notes on your phone.

Did someone tell you he’s looking for a Node.js developer and you know one? Write it down on his card.

Step 7: Follow Up (a no brainer)

The worst thing you can do, but what MOST people do anyway, is go to a networking event, meet a ton of people, and never have any contact with them again. Why waste their time and yours? Depending on your goals, you can follow-up in many ways the day after the event:
  • Connect with them on LinkedIn, Facebook or other well known social platforms
  • Sit down with your stack of annotated cards and send everyone a unique email. “Hey [NAME], great meeting you yesterday at [EVENT]. [THEIR PROJECT] sounds really interesting. Let me know if I can be of any help! Best, [YOUR NAME]”

It really doesn’t need to be more than that. And it shouldn’t be more self-serving than that unless the conversation was squarely about you and your project, and this person was REALLY interested in helping you in someway.

That’s it!

Who knows networking might eventually become fun for you. Just remember instead of thinking about making small talk with strangers reframe that thought with - I get to connect with fellow humans across what once seemed like an impassable chasm. Stay curious about others and follow these 7 simple steps, you’ll be well on your way to networking like a champion.


quarta-feira, 22 de junho de 2016

Acesso aberto

Acesso aberto para estimular inovação



Sander Dekker, secretário de Educação, Cultura e Ciência da Holanda


A União Europeia assumiu uma meta ambiciosa: até 2020, todos os artigos científicos produzidos em seus estados-membros serão disponibilizados livremente, no regime conhecido como acesso aberto. A decisão foi tomada pelo Conselho de Competitividade, órgão que reúne ministros de Ciência, Inovação, Indústria e Comércio, num encontro realizado em Bruxelas. A meta faz parte de um conjunto de recomendações, que também inclui armazenar dados de pesquisa de modo que possam ser reutilizados livremente, quando não houver restrições legais ou éticas. A decisão não busca apenas difundir os resultados de pesquisa financiada com recursos públicos. Para os ministros europeus, a circulação livre do conhecimento é parte de uma estratégia para desenvolver a economia e atrair empresas e startups tecnológicas. Eles se comprometeram, também, a aperfeiçoar a legislação sobre inovação para melhorar o ambiente de negócios. “A pesquisa e a inovação fornecem soluções para desafios sociais e econômicos do futuro”, disse Sander Dekker, secretário de Educação, Cultura e Ciência da Holanda, país que atualmente preside a União Europeia. “O acesso aberto assegura que a sociedade se beneficie tanto quanto possível das descobertas científicas.” O conselho não deu detalhes de como será feita a transição. A Liga das Universidades de Pesquisa da Europa elogiou a decisão, mas alertou que não será fácil viabilizá-la em apenas quatro anos.

domingo, 19 de junho de 2016

Mais Médicos

Programa Mais Médicos para o Brasil

Profissionais ligados ao Programa Mais Médicos para o Brasil expressam em carta aberta o seu apoio ao Programa e à sua continuidade.

Brasília, 08 de junho de 2016.


O Programa Mais Médicos para o Brasil surgiu em 2013 como proposta de qualificação e ampliação da assistência do Sistema Único de Saúde. Com seus eixos de melhora e ampliação da infraestrutura da assistência em saúde, promoção do crescimento e qualificação da formação em saúde e provimento emergencial de profissionais médicos, o Mais Médicos fez parte de melhorias importantes para a população.

Entende-se a importância do Programa para a formação de um médico mais voltado para as necessidades de saúde da população brasileira quando um dos eixos prioritários trata de aumento de vagas na graduação médica em locais onde não existiam faculdades de medicina, na ampliação e criação de vagas de residência com ênfase na Residência de Medicina de Família e Comunidade, desta forma cobrindo lacunas seculares e sendo coerente com o princípio da equidade do SUS.

Seu eixo de provimento emergencial, por meio do Projeto Mais Médicos para o Brasil, é essencial no enfrentamento da dificuldade de acesso da população ao profissional médico, principalmente nos municípios mais afastados, nas periferias de grandes cidades e nas áreas de maior vulnerabilidade social. A relação de 1,8 médicos a cada mil habitantes se mostrava insuficiente para a ampliação da assistência no SUS, deixando vazios assistenciais que impediam o sistema de realizar seus princípios. O trabalho dos Tutores e Supervisores de Instituições de Ensino participantes, ou Instituições Supervisoras, possibilita a execução do projeto de qualificação e ampliação da formação de médicos, possibilitando fóruns de atualização e debates sobre a atenção básica que queremos e que também desejam os cidadãos brasileiros: a garantia do direito à Saúde.

Diversas avaliações demonstraram os acertos do programa. Hoje temos todos os distritos sanitários especiais indígenas com médicos atuando, mais de 60 milhões de brasileiros beneficiados pelo programa, e mais de 70% dos municípios brasileiros atendidos. Com o Mais Médicos houve a retomada do crescimento da cobertura da atenção básica para a população, e 91% dos municípios receberam recursos para melhoria ou ampliação das Unidades Básicas de Saúde. O número de consultas médicas na Estratégia de Saúde da Família cresceu 29% no país, sendo que este crescimento foi mais que o dobro quando se compara municípios com o programa (33%) com os municípios sem o programa (15%). Com a ampliação e qualificação da atenção básica, mais de 90 mil internações por condições sensíveis à atenção básica foram evitadas em 2015.

A qualificação da assistência é sentida pelos brasileiros, e o programa tem excelente aprovação popular. Uma amostra de mais de 14 mil usuários atendidos pelo Programa captou uma Nota de avaliação do Programa de nota 9 (numa escala de 0 a 10), na qual 55% das pessoas deram a nota máxima: nota 10. Os avanços do programa são muitos. Por ser um programa que defende a vida das pessoas, principalmente das que mais precisam.

O Brasil passa por um momento político altamente delicado, momento no qual se faz necessário além de clareza de posicionamento, clareza de propósitos. Repudiamos as manipulações político-jurídicas-midiáticas que surgem neste cenário e firmamos aqui nossa defesa: pela saúde e vida da população e por uma política de saúde consistente, onde a população brasileira, seja o cidadão das grandes cidades ou dos mais longínquos povoados brasileiros, todos, sem exceção, tenham acesso ao atendimento de saúde de qualidade! Não podemos permitir que haja retrocesso nas conquistas na saúde, avanços sociais e direitos conquistados, incluindo o Programa Mais Médicos.

Nós, tutores e supervisores do Programa Mais Médicos para o Brasil, posicionamo-nos em defesa do Mais Médicos, pelos avanços que produz, pelo compromisso com os profissionais que o constroem a cada dia, seja nas equipes de assistência ou gestão do programa, pelo compromisso com os médicos brasileiros e estrangeiros que a cada dia assistem aos milhões de brasileiros que necessitam; mas principalmente pelo compromisso com o direito à saúde de qualidade para todas as pessoas. Estamos em defesa da vida. Resistiremos em defesa do SUS. Insistiremos na transformação da educação médica e na qualificação da relação entre instituições de ensino e rede de saúde.

sábado, 18 de junho de 2016

Saúde nas Olimpíadas

CFM faz alerta sobre a oferta de assistência em saúde durante os Jogos Olímpicos no RJ

O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou por unanimidade, em reunião plenária realizada nesta sexta-feira, nota pública em que manifesta sua preocupação com os preparativos na área da assistência na rede pública de saúde durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro.  


III Fórum de Medicina do Esporte vai debater atuação dos médicos nas Olimpíadas 2016

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Direito Universal à Saúde

Manifesto: Por que defender o Sistema Único de Saúde?

O Cebes divulga o Manifesto a favor do direito universal à saúde, elaborado com base no texto original produzido pela entidade.

Confira aqui o posicionamento do Cebes acerca da Saúde no país.


quinta-feira, 9 de junho de 2016

HU de Maringá

Com nova ala, HU de Maringá amplia em 30% número de internações

O Hospital Universitário Regional de Maringá aumentou em 30% o número de internações e em 60% o número de cirurgias, beneficiando a população do Noroeste do Paraná. A ampliação ocorreu nos últimos cinco meses e se deu com a reorganização de diversos setores, permitida pela construção de um novo bloco administrativo, um investimento de R$ 5,5 milhões em recursos próprios da Universidade Estadual de Maringá e do Governo do Estado. A obra aumentou a capacidade de atendimento nas alas de enfermaria e no centro cirúrgico. Oficialmente O prédio foi inaugurado nesta quarta-feira, dia 8.
Na inauguração, o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, afirmou que a nova estrutura garante melhores condições de trabalho aos servidores e também reflete na qualidade de atendimento à população. "Trata-se de uma obra moderna, que garante estrutura adequada para abrigar os serviços administrativos. Além disso, o remanejamento dos espaços trouxe ganhos para o atendimento, com a abertura de novos leitos. Isso é prova do bom desempenho da gestão", explicou. 

Novos investimentos – Na solenidade, Caputo Neto anunciou novos investimentos para fortalecer o parque tecnológico do Hospital. Serão destinados recursos para a compra de um novo tomógrafo, uma ressonância magnética e um aparelho de arco cirúrgico. "Atendendo a uma reivindicação da direção do hospital, vamos entregar esses equipamentos de última geração, que trarão mais qualidade e segurança ao atendimento dos pacientes", assegurou Caputo.
Formação – Para o secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, o fortalecimento da estrutura do hospital universitário reflete diretamente na qualidade do ensino ofertado aos acadêmicos da área da saúde.

"O HU oferece a vivência do Sistema Único de Saúde e permite que os nossos acadêmicos apliquem na prática o que estão aprendendo em sala de aula. Por isso, é essencial que eles encontrem condição adequada para o melhor aproveitamento do curso", enfatizou o secretário, acompanhado do reitor da UEM, Mauro Luciano Baesso.
Novas ampliações - Com três andares e uma área total de 2,8 mil metros quadrados, o novo bloco abriga um pequeno auditório, sala de reuniões e salas destinadas às áreas administrativa e financeira, setor jurídico e os serviços de tecnologia, de controle de infecção hospitalar e de segurança do trabalho. Além disso, contempla as divisões de farmácia hospitalar, de atendimento, de internamento, de documentação científica, entre outros.
O superintendente do Hospital Universitário, Maurício Chaves Júnior, explicou que a entrega desta obra faz parte de um amplo projeto de melhorias na estrutura do hospital. "Com recursos próprios e do Governo do Estado, estamos executando uma série de obras em diversos setores. Destaque para a construção do bloco cirúrgico e da clínica adulta, que terá mais 100 leitos", disse o superintendente.

A 1ª etapa da construção do novo bloco cirúrgico deve ser concluída em trinta dias. Os recursos para a segunda fase já estão garantidos, incluindo a verba para compra dos equipamentos. Ao final da obra, o hospital terá 11 novas salas cirúrgicas.
Já a construção da clínica adulta, com 100 leitos, vai dobrar a capacidade do hospital. Iniciada há dois meses, a obra está a pleno vapor e já finalizou a etapa de fundação. O investimento do Governo do Estado é de R$ 14,3 milhões. A previsão é que o novo prédio seja entregue no segundo semestre de 2017.
O reitor Mauro Baesso fez um agradecimento ao apoio do Estado, destacando o empenho dos dois secretários no atendimento às demandas do hospital, e disse ter desenvolvido, junto com a equipe, um trabalho de mobilização, na sociedade civil organizada, sobre a importância da ampliação da capacidade de atendimento do HU.  
Falando sobre a necessidade emergente de elevar o número de leitos do HU, o reitor  disse que a atual gestão está avançando nas metas propostas. A construção de 100 novos leitos, por exemplo, está com os recursos garantidos.
Baesso ainda lembrou que 138 novos servidores estão sendo nomeados para o hospital, depois da autorização dada pelo Governo do Estado. A previsão é que até o final de julho todos estejam trabalhando.  


Portal de periódicos Capes

Portal de Periódicos da Capes